Seja bem-vindo ao Dakota Johnson Brasil, sua fonte mais atualizada de informações sobre a atriz no Brasil. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue ao lado e divirta-se com todo o nosso conteúdo. O Dakota Johnson Brasil não é afiliado de maneira alguma a atriz, sua família, amigos ou representantes. Este é apenas um site feito de fãs para fãs, sem fins lucrativos.

Seja no set, festas e em seus relacionamentos, a atriz – e uma formadora de opiniões literárias com um novo clube do livro – favorece verdades contundentes. E as ocasionais mentiras maliciosas.

Dakota Johnson não é uma pessoa muito online, mas se vê tentada as vezes. “Ocasionalmente penso em algo ou em falar algo que sinto que seria bem legal no Twitter,” ela diz, sorrindo. Ela provavelmente está certa. Johnson acabou de voltar de uma tour de duas semanas promovendo Madame Teia, que teve criticas variando entre “caótico”, “abalado” e “refrescantemente honesto.” Ela tem o tipo de viralidade que não pode ser estudada – e para ser sincera, não é. “Eu vivo perto da praia, em Malibu,”, ela fala sobre sua vida particular com seu namorado, Chris Martin, do Coldplay. “Eu preciso estar na natureza. Posso estar em minha casa e nao ver ou falar com algum ser humano por dias, e me sinto maravilhosa.”

Estamos aqui para discutir o que Johnson faz nesses dias em sua casa: ler. No dia 1º de março, ela lançou seu próprio clube do livro inspirado no trabalho que ela já faz com TeaTime Pictures, a produtora que ela co-fundou com a executiva da Netflix Ro Donnelly. “Há muitas pessoas que pensa como eu e elas possuem clubes do livro, eu eu sempre, tipo, “Ah, o jeito que eu leio os livros é tão diferente,” ela diz. “Eu quero cair na toca do coelho toda vez que eu leio… investir no livro, investir na linguagem, investir nas referências. Tipo, “Ah, de que obra de arte ela está falando? Quem é esse músico?”

Estou sentada com a atriz de 34 anos num restaurante na praia em Santa Monica, Califórnia, perto de onde ela fez seu ensino médio. (“Antes disso, eu estava em todos os lugares com os meus pais,” ela diz, se distraindo com as carreiras de atuação de sua mãe, Melanie Griffith, e de seu pai, Don Johnson.)

Ela está elegante, com brincos de diamante em forma de coração de Jessica McCormack, um cabelo longo impossivel, que será aparado amanhã, cobrindo um suéter listrado. Seus jeans são cintura alta porque ela é uma millennial, não geração Z, no entanto ela não quer entrar nesse assunto depois que seus últimos comentários sobre o assunto viralizaram. Ela já até prevê as possíveis consequências da conversa de hoje. “Tipo, ‘Dakota Johnson quebra o silêncio com o maldito fracasso de bilheteria de Madame Web’”, diz ela, rindo. “É como, ‘Não, não estou quebrando nenhum silêncio. Estou apenas falando.’”

Parte do apelo dos livros é que ela não precisa se envolver em nenhuma dessas bobagens. “TeaTime e eu temos um canal no Instagram onde você pode bater um papo com quem se inscrever e, a cada poucos dias, lançaremos um mergulho profundo enquanto lemos juntos”, diz ela. Isso pode incluir uma lista de reprodução criada pelo autor ou informações sobre suas referências. O primeiro livro, Beautyland, de Marie-Helene Bertino, é um romance surpreendente sobre uma mulher que acredita ser uma alienígena. É uma escolha interessante – literária, mas acessível; concreto, mas ambíguo. Parece apropriado. “Não sei se sou de algum lugar ou se pertenço a algum lugar”, diz Johnson quando pergunto a ela mais tarde. “Então, sim, eu me identifico com o alienígena.”

Eu li Beautyland em 48 horas e fiquei tão distraída pelo final que acabei esquecendo meu passaporte no avião. Por que quis começar por esse livro?

Bom, não quero revelar muito, mas este é um livro que recomendarei para as pessoas pelo resto da minha vida. Parece que estamos elevando o nível, o que me orgulha. Nosso clube do livro é literalmente ficção. Não é uma leitura de praia. Não serão sempre autoras mulheres, mas é voltado para mulheres e tem muitos romancistas de primeira viagem.

A abordagem em si será diferente de outros clubes?

Descobri em clubes do livro que você meio que está por si mesmo. Você vê alguém como eu conversando com o autor, mas não me sinto envolvido nisso. Não sou muito boa no Instagram e estou constantemente tentando descobrir, mas quanto mais aprendo e vejo, algo assim é realmente necessário. As pessoas precisam se aprofundar no conhecimento sobre coisas específicas, em vez de falar sobre a merda do sérum facial que estão usando e pensar que isso é a coisa mais importante do mundo. E… honestamente, adoro um sérum facial. [Risos] Mas também quero falar sobre esse mundo que essa mulher incrível criou.

Então, a grande questão – você acha que a narradora em Beautyland realmente é uma alienígena ou ela tem problemas mentais?

Qual a diferença?

Verdade.

Você viu Mother God? Não consigo parar de pensar nisso. É este documentário da Max sobre uma mulher que afirma ter sido todas as encarnações de Deus. Ela era Cleópatra, ela era Joana D’Arc, ela era Jesus. E ela conseguiu convencer 12 pessoas. Então existe um culto chamado Love Has Won, e eles chamam ela de mamãe ou mãe. Hoje eu estava no banho e pensei, mas e se ela fosse? [Risos] Porque estou pensando na [protagonista de Beautyland] Adina e penso, talvez? Quem sabe. Mas eu sou uma verdadeira idiota. Eu seria a primeira a entrar em um culto.

Que tipo de culto você acha que entraria?

Qualquer um que dissesse, isso é muito bom para você e fará de você uma pessoa melhor para as outras pessoas e ajudará o mundo. Mas é isso que todos dizem. E então todos acabam fazendo sexo.

É interessante você dizer isso porque sinto que sua personalidade pública é que você é um pouco antiautoritária, ou “quem se importa”, o que parece anti-seita.

É verdade, não é? Talvez eu fosse a líder da seita. Mas também não acho que faria isso. Eu sou uma pessoa muito desafiadora. Se alguém me diz que não posso fazer alguma coisa, fico tremendo, mesmo que não tenha interesse em fazer aquilo.

Você era assim quando era criança?

Sim. Acho que sempre pensei que regras e algumas estruturas fossem muito ridículas, estupidas e bobas.

Sua família e amigos sabem como se adaptar a isso?

É de se pensar que sim… [Risadas]. Você pode pensar que eles já aprenderam isso, mas não é assim. Mas sempre fui o tipo de pessoa que faz o que eu quero. Aceitarei e acomodarei os sentimentos, ideias e pensamentos de todos. Mas desde que eu não esteja machucando outro ser humano de alguma forma – mesmo com meu trabalho, com agentes ou gerentes ou quem quer que seja – ouvirei a todos e levarei tudo muito a sério e então farei o que achar realmente certo para mim.

Isso é ótimo.

Mas também, publicamente… tudo isso é ridículo. É difícil para mim fingir. Às vezes é difícil aceitar que preciso sair em tour para promover os filmes.

As últimas duas semanas foram estranhas? Muita coisa aconteceu desde que vi você brincando com filhotes de animais no set de filmagens.

Sim. Fiz a estreia de Madame Web em Los Angeles e depois fui para a Cidade do México. Eu tive pneumonia e estava tomando esteróides e nebulizador e fazendo todas essas pequenas coisas, e eu estava muito, muito doente e me senti horrível. Eu parecia horrível. Eu estava tipo, Ugh. E então o filme foi lançado e foi… [Pausa.] Tipo, eu não consigo levar nada disso a sério. Eu não sei.

Você se incomoda quando as pessoas escrevem comentários desagradáveis?

Infelizmente, não me surpreende que isso tenha acontecido do jeito que está acontecendo.

Existe uma razão para isso?

É tão difícil fazer filmes, e nesses grandes filmes que são feitos – e isso está começando a acontecer até com os pequenos, que é o que realmente me assusta – as decisões são tomadas por comitês, e a arte não vai bem quando é feito por comitê. Os filmes são feitos por um cineasta e uma equipe de artistas ao seu redor. Você não pode fazer arte baseada em números e algoritmos. Há muito tempo que sinto que o público é extremamente inteligente e os executivos começaram a acreditar que não o são. O público sempre será capaz de farejar besteiras. Mesmo que os filmes comecem a ser feitos com IA, os humanos não vão querer vê-los.

Mas foi definitivamente uma experiência fazer aquele filme. Eu nunca tinha feito nada parecido antes. Provavelmente nunca mais farei algo parecido porque não faço sentido naquele mundo. E eu sei disso agora. Mas às vezes, nesta indústria, você assina algo, e é uma coisa e, à medida que você faz isso, torna-se uma coisa completamente diferente, e você fica tipo, espere, o quê? Mas foi uma verdadeira experiência de aprendizagem e, claro, não é agradável fazer parte de algo que está despedaçado, mas não posso dizer que não compreendo.

Esse é um lugar tranquilo para se estar.

É por isso que tenho minha própria empresa. Em um filme como esse, não tenho nada a dizer sobre nada.

Você vai adaptar Beautyland?

Bem, não temos os direitos, mas tenho tentado pensar em como isso poderia funcionar. Existem alguns livros que são realmente difíceis de adaptar.

Ah, com certeza.

Eu sei que a empresa de Margot Robbie está fazendo o My Year of Rest and Relaxation. Tenho certeza que você leu isso. Mas como diabos? Eu não sei como você faz isso.

Eu sei que você teve a experiência com 50 Tons, de uma autora muito envolvida em uma adaptação. Qual você acha que deveria ser o envolvimento de um autor?

Bem… Deus, depende. Em The Lost Daughter, Maggie Gyllenhaal realmente absorveu aquele romance e depois regurgitou sua visão dele, e foi muito bem recebido pela autora. Então, com algo como 50 Tons, a autora foi extremamente preciosa com palavras, roupas, qualquer coisa, tudo. E foi muito difícil ter qualquer tipo de liberdade, espontaneidade e autenticidade porque você está com uma margem muito pequena. Não há espaço para ser expressivo ou descobrir o que está presente naquele momento real que você está capturando. É artificial.

Ter muitos cozinheiros na cozinha é um problema eterno, especialmente para os criativos.

É um grande problema. É também uma questão de controle e sentimento de poder e arte não é isso. Há muito espaço para o autor estar presente se conseguir colaborar no melhor resultado possível daquele projeto. Eu entendo se você se importa com isso de uma certa maneira, mas não permita que outra pessoa adapte seu livro. Faça seu próprio filme.

Você lê principalmente ficção literária? literária? Você é um pouco esnobe dos livros?

Sim.

Eu também estou, mas todo o impulso agora parece estar na ficção erótica. Ou fantasia erótica. No Reino Unido eles os chamam de “bonkbusters” – as pessoas realmente gostam disso.

Porque as pessoas estão muito reprimidas.

E com tesão.

As pessoas estão com tesão e sentem muita vergonha disso.

Achei chocante quando a personagem principal de Beautyland entrou no Twitter e descobriu que sua amiga a rotulou como “assexuada”.

Sim, é definitivamente chocante e também triste. Não é apropriado fazermos isso com outras pessoas.

Continuo vendo essas histórias sobre como a geração Y e a geração Z estão fazendo menos sexo do que as gerações mais velhas. Eu sei que você está envolvida em uma empresa de bem-estar sexual, Maude, mas como você acha que é uma pessoa sexualmente bem?

Não sei se existe uma pessoa sexualmente boa. Talvez a ideia seja alguém que realmente abrace a própria sexualidade, seja ela qual for. Ou mesmo a ideia de reconhecer que você tem vergonha de sua sexualidade ou vergonha de seus desejos. Nossa, é verdade que a geração millennials está fazendo menos sexo?

Comparado com a geração dos nossos pais, sim. Você vê todo o discurso em torno das cenas de sexo? Os mais jovens pensam: “Por que precisava haver uma cena de sexo?”

Eu sinto que as pessoas se revoltam com as coisas só por se revoltarem com as coisas. Essa cultura de ódio é tão chata. Porque você conhece aquelas pessoas que ficam tipo, “Por que tem uma cena de sexo nisso?”, vão para casa e assistem pornografia. Se houver uma cena de sexo que pareça gratuita e fora de contexto, então sim, diga isso. Mas se faz parte da história e faz sentido, o que você vai dizer? É também tipo, todos podem relaxar e parar de julgar uns aos outros tanto? Todo mundo está fazendo o seu melhor. Quero dizer, algumas pessoas não são. Algumas pessoas estão realmente fazendo o seu pior e nós vemos você. [Risos.]

Eu ri durante a única ocasião em Beautyland em que o personagem principal tem um parceiro e é músico… O que há com o músico?

Não sei. [Risos] Sou a pessoa errada para perguntar. Eu me amo como música.

É o talento deles?

Eu acho que é talento. Acho que é a maneira como eles veem o mundo. Mas acho que depende muito do músico. Eu conheço alguns de merda. [Risos.]

Você se sente de alguma forma quando vê Chris no palco? Ou parece que você está observando uma figura pública?

Não sei. Eu adoro observá-lo. Eu poderia observá-lo todos os dias. Eu não sei como explicar isso. Eu sinto que, não sei… estou vendo meu ser favorito fazer a coisa que ele mais gosta.

Observar alguém que é tão bom em alguma coisa é sexy.

Quando as pessoas são realmente boas nas coisas, isso é [sexy]. Exceto ser um ditador.

Essa vergonha do sexo é algo que você já sentiu quando era adolescente?

Sim, claro. Tive sorte de ter crescido com uma mãe que era muito aberta – às vezes talvez muito aberta – sobre sexualidade, mas sempre foi assim, seja lá o que você gosta e quando quiser fazer sexo, é só me avisar e nós vou fazer controle de natalidade. Foi muito saudável e me fez sentir como se pudesse descobrir minha sexualidade sozinha, o que considero um grande presente. Progredimos tanto em algumas sociedades que as pessoas podem dizer que não se sentem nem aqui nem ali em termos de género. Isso é uma coisa incrível. É um grande salto em frente. E depois há o Alabama, o Texas e o resto do mundo que está em completa desordem.

O que você acha do discurso em torno da ascensão do poliamor?

Eu acho que contanto que você não esteja machucando ninguém fisicamente, emocionalmente, psicologicamente, tudo bem. Gosto que as pessoas explorem a existência e como se relacionar com outras pessoas. Meu enteado tinha uma amiga que dizia que na escola dela algumas crianças se identificam como gatos. E eu disse, OK, bom para você.

Qual foi a reação deles a isso?

Ela fica tipo, “Acho que tenho que chamá-la de ‘Kitty’ agora”.

Você gosta de ser madrasta?

Eu amo essas crianças como se minha vida dependesse disso. Com todo meu coração.

Você esteve em famílias mescladas durante toda a sua vida e as pessoas são fascinadas por isso…

Elas são?

Acho que as pessoas ficam fascinadas com o fato de seus pais estarem juntos, ou não, e os irmãos e meio-irmãos. Ainda parece radical ver famílias mescladas onde todos dizem: “Estamos bem”. Quando Gwyneth Paltrow faz perguntas e respostas no Instagram, as pessoas parecem perguntar muito sobre você. Ela postou uma foto sua de mãos dadas. Você viu isso?

[Risos.] Não.

As pessoas adoraram.

Isso é ótimo. [Risos] Estou feliz que tenha havido essa reação positiva. Cresci em uma família muito grande e acredito no ditado “O sangue é mais espesso que a água”. O verdadeiro ditado é “O sangue da aliança é mais espesso que a água do útero”, o que significa que as conexões com as pessoas que você escolhe são mais sólidas do que as conexões com as pessoas com quem você realmente nasceu.

Esse também é um tema importante em Beautyland. A família escolhida pode ser igualmente importante.

Tão importante quanto, se não mais. Tenho quatro irmãos e duas irmãs, e minhas duas irmãs não têm parentesco consanguíneo, mas são irmãs e se chamam de irmãs e estão sempre juntas. E meus dois irmãos mais velhos não são parentes de sangue um com o outro. E eles são irmãos.

Não importa o quão fodido seja, ou quem está na reabilitação, ou quem não está falando com quem, ou quem está se divorciando de quem, somos uma família. E sempre seremos uma família. É realmente real. E a maioria de nós somos artistas. Mesmo na minha vida adulta e na minha nova família, a maioria de nós somos artistas. Até as crianças são pessoas extraordinariamente talentosas. Então você está lidando com pessoas complexas. Você cresce, abraça e diz: “Foda-se e vá se foder” e depois “Eu te amo, volte”. [Risos.]

Você teve que trabalhar nisso ou surgiu naturalmente com sua nova família?

Acho que porque cresci nisso, isso veio mais naturalmente, mas eu não gostaria que fosse de outra maneira. Eu realmente não faria isso. Eu amo isso. Parece muito honesto. Parece realmente autêntico. Ninguém está escondendo nada.

Eu assisti Daddio, que você estrela e co-produziu, ontem à noite e adorei. Como foi trabalhar nisso?

Bem, fui direto de Madame Web para Daddio, e essa foi minha salvação. [Risos] Filmamos isso em 16 dias e minha empresa conseguiu, o que significa que fui muito prático. Foi fantástico. Sean [Penn] foi incrível. Estava tão contido. Foi realmente como uma peça. Filmávamos 20 páginas por dia.

Tem um ponto em Daddio onde sua personagem fala sobre a ideia de que a maternidade não a escolheu. Isso me lembrou quando Adina diz em Beautyland que ela “não entende por que ela sempre tem que ser removida para que sua mãe respire”. Como você se sente em relação à maternidade?

Estou tão aberto a isso. Cheguei a este lugar onde realmente quero experimentar tudo o que a vida tem a oferecer. E especialmente sendo uma mulher, eu penso, que coisa mágica de se fazer. Que experiência louca, mágica e selvagem. Se isso é para acontecer comigo, estou totalmente disposto a isso. Eu tenho realmente viajado recentemente, tipo, não ficaremos aqui por muito tempo. Há muito para comer, aprender, crescer, experimentar e sentir. Isso inclui toda a dor, sofrimento e sentimento de impotência em relação ao mundo. Na maioria dos dias eu me sinto o pedaço de merda mais inútil. Estou sentado nesta cadeira idiota, falando sobre esse filme idiota, e há pessoas passando por catástrofes excruciantes, e o que posso fazer? Eu tenho esse atrito incrível em mim mesmo. E então eu penso, não ficaremos aqui por muito tempo, então se eu pretendo ser mãe, vamos em frente.

Você já escreveu ficção?

Não, eu nunca poderia. Fico tão perplexa com pessoas que sabem escrever. Posso escrever um e-mail muito bom ou uma carta de amor muito boa. Essa é a coisa que flui de mim. Mas se eu tiver que escrever algo como tarefa, esqueça.

Você achou a escola chata?

Eu odiei isso. Mas eu fui para uma escola de arte, e você fazia seus estudos na primeira metade do dia, e depois na segunda metade você fazia qualquer arte que gostasse. E eu trabalhava em artes visuais, então estava pintando e adorei muito.

Você ainda pinta agora?

Sim. Eu amo.

Você venderia sua arte?

Às vezes faço algo para alguém ou dou algo, mas nunca me levaria a sério se tivesse uma exposição de arte. Simplesmente não há como.

Sinto isso às vezes ao escrever. Há algo sobre o quão sério é o esforço que me faz estremecer. Há algo tão admirável, digamos, na falta de estremecimento de Taylor Swift. Ela é imune a isso.

Ela é… mas você também não a vê. Quer dizer, acho que ela estava em Cats, mas é só porque ela adora gatos. Não sei se isso é uma crença besteira, mas penso, sou atriz, sou cineasta e vou continuar no meu caminho. Eu nunca vou lançar um álbum. Nunca terei uma exposição de arte. Se há um músico que diz: “Eu também sou ator”, eu digo: “Não, você não é. Vá se foder.” [Risos] Tipo, o único músico que também é ator que eu gosto, OK, é Tom Waits. Eu fico tipo, “Tudo bem, você pode fazer as duas coisas”. Sou muito crítico em relação aos atores, mas se há um músico que diz: “Estou fazendo uma exposição de arte”, isso parece bom para mim. [Risos.]

Você é uma Swiftie?

Claro!

Qual é o seu álbum favorito?

Eu gosto muito de Lover. É um álbum tão bom, mas acho que todos os álbuns dela são realmente ótimos. Eu simplesmente acho a existência dela muito radical no sentido do que significa literalmente. Não é radical nem legal, mas radical, e estou totalmente interessada nisso. Ela é uma compositora fabulosa. Ela trabalha tanto. Ela é muito gentil com as pessoas que a amam. Eu fico tipo, ah, que garota. Eu apoio.

Ser famoso às vezes é uma droga? Eu sei que essa é uma pergunta de merda para uma celebridade porque você meio que não consegue vencer na resposta.

Às vezes é muito difícil lidar com isso, mas também tenho acesso a pessoas incríveis e tenho a capacidade de compartilhar um pouco da minha experiência. Mas não quero ser assim o tempo todo. Há hora e local definidos para ser fotografado pelo que faço. Isso faz parte do meu trabalho. Mas ser fotografado quando não sei que estou sendo fotografado e é um momento privado? Isso parece a coisa mais invasiva, violenta e horrível. As pessoas dizem que esse é o preço que você paga quando é famoso, mas não acredito que isso seja necessariamente verdade.

Você já falou antes sobre viver com depressão e ansiedade. É algo que você ainda precisa gerenciar?

Sim. Eu explorei tudo, o que é um grande presente. Comecei a ter cada vez menos vergonha disso. Existe um estigma tão estranho sobre a depressão e a saúde mental. É difícil. Você medita?

Um pouco. E você?

Eu faço MT [Meditação Transcendental]. É muito fácil para o sistema nervoso e apenas regula as ondas cerebrais. Dizem que 20 minutos de MT podem ser como uma soneca de duas horas.

Eu estava rindo das suas respostas quando alguém lhe perguntou sobre a coisa do sono de 14 horas, e você disse, vocês são todos idiotas? Você disse, ‘vocês são todos idiotas?’

É verdade, mas sei que exagerei nesta entrevista, e você pode perceber que estou exagerando porque vê meu rosto. Se estiver escrito, é difícil. Mas está tudo bem. Tive uma briguinha engraçada com alguém. Fiquei muito irritada com todo mundo falando sobre meu horário de sono, e alguém que eu conheço disse: “Mas você realmente dorme 14 horas por noite? Isso é incrível. E eu pensei: “Você leu o artigo ou apenas leu a porra da manchete? Idiota.” Eu mordi a cabeça dela.

Não tenho um trabalho das nove às cinco, então não acordo na mesma hora todos os dias. Alguns dias, se estou filmando, acordo às 3 da manhã e trabalho 17 horas por dia, e quando não estou trabalhando, durmo muito porque estou muito exausta. Ou estou deprimida. Então, pessoal, vão se foder. [Risos.]

É divertido mentir para a imprensa? Só para enfiar alguma coisinha aí?

É muito divertido. Muito mesmo. Às vezes, quando você está em uma situação ridícula, você simplesmente precisa ser ridícula.

Fonte | Tradução: Equipe DJBR

SHOOTS NOMEADOS > 2024 > BUSTLE

DJBR0002.jpg DJBR0001.jpg DJBR0003.jpg DJBR0004.jpg



No filme Madame Web, Dakota Johnson é uma super-heroína pronta para fazer qualquer coisa para salvar três garotas. Um papel que celebra a solidariedade feminina e a importância de estarmos sempre unidas porque, explica a atriz à Grazia, a guerra entre as mulheres não leva à lado nenhum.

Há ecos de tanta irmandade, mas esquecem de aplicar esse valor no dia a dia. E depois há Dakota Johnson. “Tenho 34 anos e acredito tanto nisso que quero aplicá-lo também na vida profissional.” Ela me conta isso com o mesmo orgulho com que a foto dela posando de mãos dadas com a ex-mulher de seu parceiro Chris Martin, a atriz Gwyneth Paltrow, se tornou pública nas redes sociais. Um gesto que Dakota compartilhou para demonstrar ao mundo que a rivalidade entre mulheres não faz sentido. E Paltrow comentou: “Somos boas amigos. Eu amo tanto ela. Ela é uma pessoa adorável e maravilhosa. Eu sei que pode parecer estranho e pouco convencional, mas é assim.” Desafiando os rumores de que seria dura consigo mesma na forma como interpretou sua nova personagem, Dakota Johnson diz estar satisfeita com sua Madame Web, protagonista do filme homônimo nos cinemas a partir de 14 de fevereiro, figura nascida do Quadrinhos da Marvel Comics.
Ela é uma incansável especialista em emergências de ambulâncias que se torna uma super-heroína com o poder da previsão: “A força de Cassandra Web está em querer ajudar os outros, começando pelas mulheres”. Ela faz isso de todas as maneiras possíveis: dirige a toda velocidade, acaba submersa com um carro, quebra as janelas de um pub com um táxi roubado, espanca severamente seu inimigo, o ator Tahar Rahim, praticamente nunca desiste.

Sua Madame Web escolhe salvar três garotas mesmo sem saber quem são. A irmandade é um valor independente do conhecimento pessoal?

“É um valor universal, diz respeito a todos nós. Entrar em guerra uns com os outros é inútil e errado: é hora de nos protegermos uns dos outros.”

Sua Madame Web faz isso graças ao poder da previsão. Que “poderes” faltam hoje?

“Igualdade, entendida como igualdade de direitos, especialmente no local de trabalho. É por isso que encorajar e apoiar-nos mutuamente no caminho da emancipação profissional deve tornar-se a nossa missão.
Se quisermos avançar e progredir, devemos estar todos do mesmo lado e escrever juntas
uma nova página na história.”

O que você diria à jovem Dakota, a garota que não imaginava se tornar a atriz que é hoje, conhecida em todo o mundo?

“Eu diria a ela: ‘Ei, você, tente acreditar mais em si mesma’.”

É este o conselho que gostaria de dar às novas gerações de mulheres que o seguem?

“Acreditar em si mesmo é apenas o começo: precisamos nos comprometer em nos tornarmos verdadeiramente a versão mais poderosa de nós mesmos. Aceitei o papel de Madame Web por isso, para incentivar as meninas a se comprometerem a fazer a diferença no mundo e a se convencerem de que já têm tudo o que precisam para se afirmarem na vida.”

No entanto, nem todos estão conscientes de que já possuem a força necessária.

“Muitas vezes ficamos presos em nossas próprios inseguranças. É aí que deve entrar o apoio de outras nós, pronto para nos encorajar e defender.”

Quais mulheres você protege no dia a dia?

“Minhas irmãs mais novas (Grace Johnson e Stella Banderas, de 24 e 27 anos, nascidas do relacionamento de seu pai Don Johnson, e do relacionamento de sua mãe Melanie Griffith com o ator Antonio Banderas).

Quem mais?

“Sempre protegi a minha família (a mãe dela Melanie tem um histórico de dependência de álcool e drogas), e meus amigos.”

Ela também protege os direitos dos seus colegas, dado o seu apoio à recente greve recorde de atores em Hollywood.

“Era impossível não fazê-lo, certas ameaças são reais e devem ser enfrentadas”.

Você está se referindo à inteligência artificial?

“É um verdadeiro problema. Minha esperança é que os espectadores, como seres humanos, reconheçam o valor de outros seres humanos. Existe uma diferença incomparável entre o trabalho de nós, atores, e o artifício virtual, espero que o público esteja ciente disso. A IA pode tentar se livrar de nós, mas nunca eliminarão nosso trabalho e nosso valor.”

Falando em trabalho e valor, cada vez mais mulheres ganham espaço em Hollywood e no cinema mundial. Qual é o próximo passo a dar?

“O nosso valor foi finalmente reconhecido.
Mesmo os filmes da Marvel estão cheios de super-heroínas, nossa Madame Teia possui mais atrizes do que atores no elenco, enfim, hoje não faltam protagonistas. Mas há uma infinidade de outras histórias ainda a serem contadas, é preciso coragem.”

Coragem não lhe falta. Depois de se mostrar nua na trilogia Cinquenta Tons, ela retorna às telonas com um papel de pura ação. Existe algo que ele ainda não se atreveu a fazer?

“A minha sorte é que não tenho medos tão grandes que me paralisem ou me impeçam de fazer certas coisas. Quando penso nisso, os parasitas me dão nojo, caso contrário gosto de me desafiar e me testar em tudo que nunca tentei antes. Desta vez, por exemplo, aprendi que adoro atuar debaixo d’água. Descobrir como prender a respiração por um longo tempo e descobrir uma nova maneira de descer foi muito divertido.”

Você também aprendeu as técnicas de reanimação que vemos sendo realizadas?

“Claro! Recomendo à todos que aprendam a praticar massagem cardíaca, pode fazer a diferença.”

Existe um superpoder que você gostaria de ter?

“Gosto de imaginar que posso ver o futuro, mas cada superpotência traz consigo responsabilidades e consequências para gerir, não me interessa muito. Para mim, basta saber que todos nós já temos um superpoder: a nossa mente.”

É com base nisso que você escolhe os personagens para interpretar ou você ouve mais o instinto?

“Utilizo três critérios básicos: leio o roteiro para ver se é bom. Eu olho quem é o diretor, para ver se ele é bom. E peço que me digam quem mais está no elenco, para entender se vale a pena.”

Quando você não está trabalhando, onde você pode ser vista?

“Passeando pelas ruas de Malibu (onde vive com Chris Martin, que lhe deu de aniversário o Mustang 1965), ou em casa praticando ioga e meditação.”

Do cinema à vida real, você acredita em destino?

“Muito. Vivi momentos na minha vida em que as coincidências eram muito mais do que simples coincidências.”

Por exemplo, quais?

“Penso em alguns encontros que tive, em alguns filmes que protagonizei e pelos quais ainda hoje estou grata. Não vou citar nomes, não parece justo com os outros, mas estou cada vez mais convencida de que na minha vida, como na de todos, não há nada aleatório.”


Tradução: Equipe DJBR


SCANS > 2024 > GRAZIA ITALIA

DJBR0001.jpgDJBR0002.jpgDJBR0003.jpg



Conhecida por suas franjas, franqueza e por trabalhar com autores como Luca Guadagnino, Dakota Johnson consolida seu estrelato no cinema em Madame Teia, da Marvel.

Você pode pensar que conhece Dakota Johnson. Talvez você pense nela como uma estudante de Stanford que venceu a batalha de conquistar o carisma de Justin Timberlake no filme A Rede Social, de David Fincher, ou como a humilde e tímida leitora Anastasia Steele, que descobre o mundo do BDSM na trilogia de Cinquenta Tons de Cinza. Ela também é uma potência nos filmes independentes: musa do diretor Luca Guadagnino em Um Mergulho no Passado e em Suspiria, e inesquecível no papel de uma mãe sobrecarregada na aclamada adaptação do livro de Elena Ferrante, A Filha Perdida, de Maggie Gyllenhaal. Mais recentemente, ela estreou no prodígio da Geração Z, de Cooper Raiff, Cha Cha Real Smooth, que foi produzido pela empresa de Johnson e Ro Donnelly, TeaTime Pictures.

TeaTime não é o único empreendimento de Johnson: ela também é sócia e atua como diretora co-criativa da Maude, uma marca de bem-estar sexual conhecida por seus vibradores poderosos e de design simples, que a marca abrevia para vibe.

Ou talvez você conheça Johnson como a rainha do sarcasmo, com suas piadas sobre dormir por 14 horas por dia, suas mentiras sobre limões, ou sua entrevista animada com Ellen Degeneres, onde levou a internet a loucura em 2019 quando falaram sobre o convite para seu aniversário.

É dificil estrelas atuais de Hollywood passarem por aqui, mas Johnson, que vem de uma família hollywoodiana (filha de Don Johnson e Melanie Griffith), possui a energia, o gosto, a versatilidade, uma honestidade brutal e um humor ácido de um ícone antigo de Hollywood, como Katharine Hepburn.

Marisa Meltzer falou com Dakota Johnson sobre seu mais novo lançamento, Madame Teia, que, para aqueles não familiarizados com o mundo Marvel, é uma historia independente da historia original. Johnson é Cassandra Webb, uma paramédica nova-iorquina que desenvolve habilidades de clarividência e se reconecta com seu passado. O enredo psicológico tambem traz Sidney Sweeney, Mike Epps, Emma Roberts e Adam Scott.

Continue lendo para ouvir sobre o momento inaugural de Johnson na Marvel, seus superpoderes pessoais, um discurso retórico sobre a covarde indústria do entretenimento e seus pensamentos sobre o estado da educação sexual na América.

Marisa Meltzer: Ouvi dizer que você adora chupar picolé enquanto toma banho de banheira.

Dakota Johnson: Você já fez isso? É uma atividade fabulosa. Um picolé e uma banheira quente é uma experiência sensacional.

MM: Não, mas vou tentar. Vamos falar sobre Madame Teia. Como você acabou envolvida nisso? Você estava tipo, eu quero fazer parte de uma franquia de super-heróis e agora é a hora para isso?

DJ: Estou sempre aberta para tudo. Não discrimino gêneros de filmes quando se trata de como escolho as coisas ou o que faço. Li que isso seria feito em breve, e achei interessante uma super-heroína em que seu superpoder é a sua mente, e, principalmente, ela é uma mulher. Isso é algo que eu realmente apoio. É muito real pra mim, é muito real e sexy.

MM: Espere, você poderia explicar isso?

DJ: Bom, eu acho que a mente feminina é incrivelmente poderosa, então acredito que faz todo sentido com a super-heroína. É mais um filme psicológico. Ele é um filme de partida da Marvel, pois as vezes é otimo ter esse outro universo e galáxias fazendo coisas irreais em lugares irreais. Pode ser uma fuga e é divertido. Antes de Madame Teia ser a Madame Teia, ela é paramédica e está na linha de frente, ela é uma super-heroína todos os dias. Pensei que era algo diferente. Nunca fiz algo assim antes.

MM: Como você decide as partes que fará? Há diretores lá que voce gostaria de trabalhar? Acha que trabalhará com Luca Guadagnino de novo?

DJ: Absolutamente. Conversamos sobre algumas coisas. Mas sim, certamente as coisas acontecerão.

MM: Com a sua produtora, TeaTime, parece que você está bombando com seus projetos. Como você decide os projetos que quer trabalhar, há alguma linha de raciocínio que você segue?

DJ: Estamos começando a ter uma linha de base. Não temos um padrão ou algo assim. Pra mim, o que mais importa, é que todos os filmes tenham mulheres poderosas no centro. Eles são muito complicados. Eles são muito detalhados. Eles são muito matizados.

MM: Você tem que desenvolver seus próprios projetos se quiser esse tipo de personagem? Simplesmente não há um número suficiente deles ou você apenas gosta desse lado da produção?

DJ: Ainda estou descobrindo o que é sombrio nessa indústria. É majoritariamente desanimador. As pessoas que administram plataformas de streaming não confiam em pessoas criativas ou artistas para saber o que vai funcionar, e isso só vai nos fazer implodir. É realmente comovente. É tão difícil. É tão difícil fazer qualquer coisa. Todas as coisas que estou interessada em fazer são realmente diferentes, únicas e muito avançadas em tudo o que são. Fizemos um filme chamado Daddio que foi vendido em Telluride para a Sony Classics, o que foi incrível, mas foi preciso muita luta para fazê-lo. As pessoas estão com tanto medo e eu fico tipo, por quê? O que acontecerá se você fizer algo corajoso? Parece que ninguém sabe o que fazer e todos estão com medo. É assim que parece. Todo mundo que toma decisões tem medo. Eles querem fazer o que é seguro, e o que é seguro é realmente chato.

MM: Qual seu próximo projeto?

DJ: Vou fazer um filme pequeno em 2024 com TeaTime. É sobre o luto. É um enredo dificil de contornar, então nem vou tentar, mas é sobre uma mulher lidando com o luto e como ela faz isso de uma maneira específica.

MM: Como você passou pela greve [greve SAG-AFTRA de julho-novembro de 2023]? O que você fez?

DJ: Tive uma crise existencial.

MM: Ok.

DJ: Quer dizer, eu não filmei nada, mas estava trabalhando na produção e no TeaTime. Eu estava meio confuso. Eu estava no Japão. Eu estava em Los Angeles. Eu estava na Europa.

MM: Você foi deu o que falar ao mencionar que dormia 14h. Eu sofro terrivelmente de insônia, então meu sonho seria dormir pelo menos 7 horas seguidas, sem interrupções. Você quer bater algum recorde? Por quanto tempo você realmente dorme?

DJ: Eu disse que poderia facilmente dormir por 14 horas. Não disse que realmente dormia por 14 horas. Eu tenho um trabalho. Seria impossível trabalhar e fazer isso. Então é obvio que há algo errado nisso. Eu amo dormir, mas nao disse aquilo. Estou começando a entender que o sarcasmo não é uma linguagem utilizada pelos jornalistas atualmente, ou se é, é apenas um enfeite. Acho que vou ter que ser literal daqui pra frente.

MM: Também acredito que a maioria dos atores não são, bem… talvez eles sejam mais divertidos no privado, mas não são muito divertidos ou sarcásticos ou muito humorados na maior parte do tempo, pelo menos nao quando são entrevistados. Talvez você está…

DJ: Apavorada com o que acontece comigo o tempo todo? Eles aprenderam, mas eu nao [risadas].

MM: Você não pode simplesmente se ajudar. Sua personalidade brilha através disso.

DJ: Eu sou dramática. Eu sou atriz. Não sei.

MM: Tem um lugar no céu reservado pra você por ter ido no show da Ellen e falado sobre seu aniversário. Foi um momento de gloria.

DJ: Isso vai me assombrar.

MM: Você trabalhou com os direitos de reprodução. As coisas ficaram assombrosas em nosso país. Você enxerga alguma esperança?

DJ: Quer dizer, retrocedemos completamente em termos de direitos reprodutivos, igualdade das mulheres e direitos das mulheres. É tão alucinante. Acho que é difícil articular porque quando Roe v. Wade foi anulado, acho que todos pensaram, ok, bem, isso é uma loucura e será corrigido rapidamente. Claro, não estaremos nesta posição. É claro que esta não será a realidade. Mas depois passam semanas e meses, e cada vez mais mulheres veem negados os cuidados de saúde de que necessitam e que merecem. As mulheres merecem as escolhas que são tão básicas para ser um ser humano neste planeta. Acho que é difícil articular o que sinto e penso agora porque estou impressionada. Estou impressionada e acho isso absolutamente comovente e aterrorizante.

MM: Você também está envolvida com a Maude, uma companhia de bem estra sexual.

DJ: A minha agência na altura me ligou à Éva [Goicochea], que é a fundadora da Maude, porque acho que eles pensaram que nos daríamos bem e também que tínhamos interesses e paixões semelhantes, e tem sido realmente incrível. Assumi como diretora co-criativa e aprendi muito com ela. Também é muito legal e muito importante fazer parte de uma empresa para a qual eu não só adoro os produtos, e eles são lindos, mas também são acessíveis e de qualidade, e são genuinamente voltados para o bem-estar. Eu simplesmente adoro a ideia de que mais pessoas se sintam confortáveis ​​com o bem-estar sexual.

MM: Como você recebeu educação sexual? Foi na escola?

DJ: Tivemos uma aula de educação sexual na sexta serie. Fui pra escola em todos os lugares.

MM: Era estranho ser sempre a novata em algum lugar?

DJ: Nao achava estranho pois era normal pra mim, entao eu nao tinha nada para comparar. [Se eu nunca tivesse me mudado]Eu provavelmente sentiria a diferença, traços mais fortes, como gerenciamento de tempo ou amizades duradouras. Viajei com meu irmão e era o que era. Estávamos nas gravações. Se minha mãe estivesse trabalhando em algum lugar, estávamos lá com ela, sempre viajávamos com um tutor e ele e eu íamos para a escola juntos.

MM: Você tem algum superpoder?

DJ: Se eu tivesse um superpoder, isso surgiria imediatamente. Eu saberia exatamente o que seria.

MM: Isso é verdade. Madame Teia não precisa se preocupar com isso.

DJ: Sim, seria tipo “Bem, obrigada por perguntar. Eu posso voar.”

MM: Ótimo. Vou ligar para o Daily Mail.


Fonte | Tradução: Equipe DJBR



Entrevistamos a atriz por ocasião na estreia do primeiro filme de super-herói do ano, filme baseado em um personagem secundário dos quadrinhos do Homem-Aranha.

O primeiro filme de super-heróis do ano está chegando. E não, não será da Marvel ou da DC. ‘Madame Web’ é uma aposta da Sony Pictures que chegará aos cinemas em 16 de fevereiro de 2024 e apresentará a personagem Cassandra Web, personagem secundária recorrente dos quadrinhos do Homem-Aranha. Dakota Johnson fará o papel da jovem mutante, com quem tivemos a sorte de conversar estes dias sobre o projeto… e o futuro.

MeriStation: Como você teve contato com o projeto, ele foi apresentado a você como parte do universo do Homem-Aranha, como um filme de ação, super-heróis…? Como eles venderam para você e o que houve nessa história que fez você se interessar por ela?

Dakohta Johnson: Eles me enviaram o roteiro do que li e achei muito inteligente, realista, diferente. Mas não faz parte do universo do Homem-Aranha, mas sim de um novo mundo dentro da Marvel sob a perspectiva de Madame Teia.

MeriStation: Todo mundo diz que filmar um filme de super-herói é muito diferente dos demais por causa dos efeitos especiais, da importância da pós-produção, do monitoramento e da pressão dos fãs… Você já se sentiu assim? Qual tem sido sua experiência?

Dakohta Johnson: Eu me diverti muito. Acho que o filme não enlouquece muito com os efeitos especiais, que ele tem, mas os cenários eram bem práticos e faziam com que parecesse real, até agora tem sido ótimo.

MeriStation: Você já fez alguma pesquisa anterior para o papel? Você leu algum quadrinho específico ou viu algum filme ou referência fornecido pela equipe?

Dakohta Johnson: Sim, claro, li tudo que pude sobre os quadrinhos.

MeriStation: Você gostaria de voltar para uma sequência? Você faria ‘Madame Web 2’ ou foi uma experiência única na vida?

Dakohta Johnson: Eu voltaria… se eles me pedissem.


Fonte | Tradução: Equipe DJBR



Famosa como seus pais eram antes dela, a atriz Dakota Johnson causou uma boa impressão em Hollywood com suas escolhas ousadas em seu novo papel com uma super heroína em Madame Teia.

Com um talento de multifaces no mundo do entretenimento, Dakota Johnson já causou uma marca tanto em Hollywood quanto no palco global – levando em conta que ela está no meio dos seus 30 anos.

Nascida em Austin, Texas, Johnson vem de uma família profundamente impregnada na indústria do entretenimento, com seus pais Melanie Griffith, atriz indicada ao Oscar, e Don Johnson, ator ganhador do Globo de Ouro. Isso significa que o estrelato está praticamente em seus genes.

A ascensão a proeminência começou com seu papel como Anastasia Steele na aclamada trilogia de Cinquenta Tons de Cinza, baseado no bestseller de E. L James.

Seu retrato em um personagem complexo e enigmático recebeu um reconhecimento generalizado e aclamação da critica. O sucesso de Johnson na franquia abriu portas para inúmeras oportunidades em Hollywood.

Além de sua trilogia de sucesso, a atriz de 34 anos mostrou sua flexibilidade no cinema assumindo papeis diversos em projetos independentes e mainstream. Sua performance em filmes como A Rede Social, Suspiria e O Falcão Manteiga de Amendoim mostraram a proeza de sua atuação e alcance.

Complementando sua carreira de atuação, Johnson também está fazendo trabalhos como produtora, defendendo histórias convincentes através de sua produtora, TeaTime Pictures. Com sua paixão por contar historias, ela se prepara para moldar a narrativa da indústria pelos próximos anos.

Johnson e o líder do Coldplay Chris Martin estão em um relacionamento desde 2017 e moram juntos em um aconchegante lar em Malibu, onde passam o tempo não apenas com os filhos de Chris, mas comemoram os feriados com sua ex-esposa Gwyneth Paltrow e seu marido, Brad Falchuk.

Olhando ao redor, o spin-off de Homem Aranha, Madame Teia, ajudará Johnson a continuar como uma figura proeminente em seu ofício. Ela assume a liderança neste emocionante thriller como Cassandra Webb, uma paramédica trabalhando em Manhattan, cujos talentos em clarividência vieram a tona.

Lutando contra revelações chocantes sobre sua própria historia, ela cria uma conexão com três mulheres jovens cujos destinos carregam um enorme potencial, desde que naveguem pelos perigosos desafios das circunstancias atuais.

 

Então, Madame Web – quão ansiosos deveríamos estar?

Muito. Estou incrivelmente ansiosa para fazer parte do mundo Marvel, especialmente com uma personagem menos conhecida. Há muito potencial para torna-la legal e genuinamente emocionante.

É assim que quero entrar em projetos – quero estar apta para trazer minha própria narrativa e colocar minha impressão digital no que esta a minha frente. A maioria dos atores fazem isso, para ser justa, mas nem todos tem a oportunidade , então sou muito grata por isso.

Sua personagem é clarividente e uma mutante pre cognitiva. Isso é pesado!

É mesmo, e me permitiu empreender neste mundo dos elementos de habilidades físicas. É um desvio da norma, mas eu gostei.

Você tem algum poder físico, como Dakota?

Na verdade não, eu nasci no brilho de Hollywood, mas apesar da loucura e da fantasia de tudo, sempre estive rodeada e a par da realidade da industria. Talvez  quando me apostar do mundo dos filmes, vou achar alguma realidade alternativa, mas agora estou feliz e ocupada o suficiente lidando com o que é real ao meu redor, em vez de olhar para o futuro para tentar ver o que chegará do outro lado da pista.

Como é fazer parte do mundo dos super-heróis?

Interpretar uma super-heroína sempre foi um sonho meu, como estar em um grande filme de ação, tipo uma Indiana Jones feminina, sempre me inspirei nesses tipos de filmes, tipo um novo Top Gun, o que sempre achei fantástico.

Em relação ao elenco, está encaminhando para ser incrível, especialmente por que Sidney Sweeney está presente. Sou uma grande fã dela.

Você consegue sentir suas escolhas valorizadas?

Certamente, isso marca um ponto crucial na minha carreira, me permitir ter liberdade criativa pra explorar territórios desconhecidos. Sinto que agora possuo confiança para abraçar riscos aqui e ali, quando a coisa certa chegar, selecionando projetos que ressoam profundamente em mim. A liberdade recém descoberta que eu sinto é muito emocionante.

Você sempre quis seguir os passos dos seus pais?

Claro, e estar nessa indústria é tudo. Sempre sonhei, e isso me trás muita alegria. Minha avó, Tippi Hedren, tem sido uma significante fonte de inspiração para mim. Seus simples mas profundos conselhos, como ‘confie em você mesmo’ e ‘acredite na bondade dos outros’, continuam me guiando.

Minha família, inclusive minha avó, colocaram em mim o valor de encontrar a felicidade em mim mesma. Eles me encorajaram a saborear essa fase especial antes de me casar e ter filhos, enfatizando a única importância que se tem na vida.

Enquanto tudo aquilo parecia profundo, era muito legal ouvir aquelas palavras gentis de apoio, pois quanto mais velha eu ficava, mais eu sentia que tinha que provar algo para as pessoas.

O que te fascinou no mundo dos filmes enquanto você crescia rodeada por ele?

Este é o mundo em que eu cresci. Sempre gostei de estar nos set dos filmes quando era criança, e sempre soube que queria atuar por toda minha vida. Eu nunca tomei a decisão de ser atriz, é só uma coisa que eu sempre soube.

Para mim, era como um parque onde eu podia usar minha imaginação. Quando meu pai trabalhou em Nash Bridges, passei muito tempo no set em São Francisco e eu adorei. O set de filmagens parece um lar pra mim, onde eu pertenço e mais me sinto a vontade.

Você ainda pede conselhos aos seus pais?

Eu sou a minha própria pessoa agora. Quando eu pedia, era no inicio. Quando você segue os passos dos seus pais, é natural se preocupar em fazer seu próprio nome na indústria. Até hoje eu sempre busco papeis onde sou julgada apenas pela minha atuação, nada alem disso.

Meus pais sempre me apoiaram, mas fiz as coisas por etapas, o que me ajudou a manter a calma sobre decisões e o que aconteceria. Eles me instruíram a não cair na pressão e me manter calma.

Eu cresci entendendo o que os atores passavam por conta das historias dos paparazzi. Me lembro de sair com meus pais e as vezes ficar irritada com pessoas vindo as nossas mesas pedir autógrafos, embora eu estivesse irritada com isso, lá eles estavam!

Você acredita que há uma certa pressão das pessoas e, por sua vez, em você, para se casar? A sociedade torce o nariz para os solteiros?

Em toda a historia, a sociedade espera que a mulher – mais que o homem – se case e tenha filhos. Essa pressão sempre existiu. Se a mulher não segue a tradição, elas se deparam com criticas.

Na minha vida, percebi que fazer escolhas sobre relacionamentos é tão importante quanto fazer escolhas sobre a carreira. É tudo sobre ouvir seu coração e fazer o que se achar certo.

Embora isso seja legal e adorável, isso é totalmente real?

Acredito que é um jeito muito natural de se pensar, as vezes somos muito influenciados pelas normas e expectativas da sociedade. Mas qual a alternativa?

É como uma parte de mim dizendo ‘eu te amo’, e é isso. Mas isso fica no pensamento. ‘Por que você não respondeu? Você me ama também? Você esta vindo?’

Então se torna ainda mais intenso: ‘quando vamos nos casar?’ Olá? Você esta ai?’ E ai se torna avassalador, ‘não aguento mais isso’, e talvez finalize com um emoji com o dedo do meio no final da mensagem [risadas].

Esse é o seu primeiro emoji?

Graças a Deus eles colocaram ele [risadas]. É tudo pra mim e acontece muito rápido, talvez em cinco minutos ou menos.

O jeito que as pessoas se encontram hoje em dia ainda é estranho pra mim. Eu nao gosto, me deixa desconfortável. É bizarro. Não estou nas redes sociais, tipo Facebook ou Twitter. Eu tenho Instagram, mas não uso muito e raramente entro.

Tenho uma visão mais tradicional e romântica. Acredito que os homens poderiam ser polidos e pagar pelas coisas!

Um dia, gostaria de sossegar e ter uma família. Eu não acredito que duas pessoas necessariamente fiquem juntas pra sempre. Se acontecer, é especial, mas mesmo se um casamento não durar, ainda pode ser lindo.

As pessoas mudam com o tempo, e as vezes vão em direções diferentes. É possível amar mais de uma pessoa na vida. A coisa mais importante é ser honesto.

Você acha que a fama mudou ser jeito de viver sua vida em algum aspecto?

Na verdade não. Eu faço as mesmas coisas. Passo muito tempo em casa e as vezes me preocupo com a quantidade de fotos que tiram de mim.

Na verdade eu sou normal, embora não me sinta pressionada a provar isso de nenhuma forma. Certamente algo que aprendi na minha infância é que as pessoas vão te ver do jeito que elas quiserem te ver, quando você é uma figura pública. Meus pais sofreram com isso, ate certo ponto, acho que com a internet hoje isso prevalece muito mais. Antigamente fofocavam nos jornais.

Ultimamente, se alguém decide que realmente gosta de você, você pode fazer o que quiser que ela ainda vai gostar. E o oposto é verdade – se as pessoas não gostam de você, ela sempre vai te culpar por alguma coisa.

Acredito que isso não é algo só das pessoas famosas, é da natureza humana. Construímos ideias e opiniões um do outro baseada em informações e experiências, e isso torna difícil de mudar pra algo diferente.


Orlando Family Magazine | Tradução: Equipe DJBR



Layout criado e desenvolvido por Lannie - Dakota Johnson Brasil © 2024  
Host: Flaunt Network | DMCA | Privacy Policy