Seja bem-vindo ao Dakota Johnson Brasil, sua fonte mais atualizada de informações sobre a atriz no Brasil. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue ao lado e divirta-se com todo o nosso conteúdo. O Dakota Johnson Brasil não é afiliado de maneira alguma a atriz, sua família, amigos ou representantes. Este é apenas um site feito de fãs para fãs, sem fins lucrativos.

No início da nova adaptação de Persuasão da Netflix, nossa heroína Anne Elliot, ainda no auge da juventude, abraça um belo soldado em um campo de grama selvagem com vista para o mar, enquanto cordas exuberantes e românticas tocam ao fundo.

Exceto, é claro, Persuasão não é como outros romances de Jane Austen – e o novo riff da aclamada diretora de teatro britânica Carrie Cracknell na história começa exatamente onde você poderia esperar que outra tomada de Austen termine. “Quase me casei uma vez”, diz a protagonista de Dakota Johnson, Anne Elliot. “Mas ele era um soldado sem patente ou fortuna, e fui persuadida a entregá-lo.”

Avance sete ou oito anos, e Anne – pelos padrões da Regência da Grã-Bretanha, pelo menos – já passou de seu auge. Em uma montagem ao estilo de Bridget Jones, ela chora na banheira, bebe vinho direto da garrafa e se descreve como “próspera”. Uma introdução à sua família arrogante e em ascensão social, a aristocrática Elliots, que passou por momentos difíceis graças aos gastos perdulários do pai de Anne, Sir Walter (Richard E. Grant), a vê entregar apartes inexpressivos que quebram a quarta parede. zombando das falhas e fraquezas daqueles ao seu redor enquanto ela resolve cortar seu próprio caminho através de Bath da alta sociedade.

“Com peças de época, estou sempre interessada em que haja uma conexão entre o então e o agora”, diz Cracknell, cuja visão lúdica de Austen marca sua estreia na direção como cineasta; regular no National Theatre e na Royal Court de Londres, sua produção de Sea Wall/A Life, estrelada por Jake Gyllenhaal e Tom Sturridge, recebeu quatro indicações ao Tony em 2020. “Acho que os filmes de época costumam ensinar muito sobre o momento em que foram feitos como eles fazem no momento em que estão replicando, de alguma forma.” Foi esse entendimento que informou igualmente a abordagem única dos roteiristas Ron Bass e Alice Victoria Winslow. Afinal, até os fãs mais obsessivos de Jane Austen vão admitir que Persuasão— o último romance que ela escreveu, e publicado seis meses após sua morte em 1817 — é uma espécie de exceção dentro de seu amado cânone infinitamente adaptado, graças à idade mais avançada de seu protagonista e seu ar mais melancólico e reflexivo.

Aprofundando a voz de Anne, Bass e Winslow identificaram um senso de humor crepitante que falava com uma linha de comédia muito contemporânea, lembrando o trabalho incisivo e autodepreciativo de Phoebe Waller-Bridge e Michaela Coel. “Acho que o humor [em Persuasão] absolutamente fala com a escrita de Jane Austen, mas também tem uma espécie de modernidade”, diz Cracknell. “Nós realmente esperávamos que isso ajudasse o material a se conectar com um público novo ou mais jovem.” Para Johnson, também, foi essa abordagem subversivamente cômica (e firmemente do momento) sobre o material original que pareceu particularmente atraente. “Fui atraída pela linguagem e temas ocasionalmente modernizados, quebrando a quarta parede e falando diretamente para o público, e o fato de que uma mulher de força de vontade continua sendo um tópico de discussão nos dias de hoje”, explica a atriz.

Como qualquer boa história de amor de Austen, porém, Persuasão depende de um dilema romântico. A primeira opção de Anne é tentar reacender a chama com seu primeiro grande amor, o capitão Frederick Wentworth (Cosmo Jarvis), que ela rejeitou aos 19 anos depois de ser persuadida por sua madrinha de que ele não era um par adequado devido ao seu baixo status social. No retorno de Frederico das Guerras Napoleônicas como um herói militar (e com uma grande fortuna), os dois teriam que superar seus ressentimentos sobre como seu relacionamento inicial terminou para se reconciliar. Tudo isso é questionado com a chegada de William Elliot (Henry Golding), no entanto, um parente distante de Anne, cujo charme desleixado pode estar escondendo algumas segundas intenções mais nefastas, pois ele é um herdeiro direto da fortuna da família cuja posição pode estar em perigo.

“Para mim, o papel do Sr. Elliot foi muito suculento para dizer não – ele é tão travesso e travesso nas obras”, diz Golding sobre sua vez, o que alegremente subverte sua imagem como um amado galã de comédia romântica. “Sabendo que você não acaba com a garota, você pode realmente se soltar com tudo. Ele é um personagem tão bom, já que você não tem ideia do que ele está pensando ou qual é sua motivação – ele simplesmente se transforma em um centavo. Eu estava me divertindo com isso.” Em outros lugares, Richard E. Grant oferece uma performance deliciosamente extravagante que rouba a cena como Sir Walter, o pai narcisista e extravagante de Anne. “Sir Walter Elliot é sem dúvida o personagem mais vaidoso de toda a literatura, então levamos isso ao máximo e além”, diz Grant. “Foi um enorme prazer interpretar alguém que é tão autoritário, egocêntrico e inconsciente dos sentimentos de outra pessoa.”

Ainda assim, do começo ao fim, Persuasão é um filme de Johnson. Em indiscutivelmente seu papel cômico mais vigoroso até hoje, a atriz continua sua série de projetos impressionantemente versáteis ao longo do ano passado com uma performance que captura tanto uma sensação de frustração com as cartas que a vida lhe deu, quanto a explosão ocasional de emoção pura e desenfreada. (Ah, e seu humor mordaz, é claro.) “Acho que o humor de Dakota vem de sua inteligência”, diz Cracknell. “Anne vê as coisas ao seu redor muito claramente, e Dakota é assim também. Ela é muito observadora e muito, muito brilhante. E ela estava se esforçando para ficar mais engraçada o tempo todo, então continuamos explorando os momentos em que poderíamos encontrar humor físico. Ela também tinha um monte de ideias enquanto estávamos filmando que acabaríamos fazendo no filme. É sempre o sonho quando os atores te dão tanto.”

A história de Persuasão ofereceu um conjunto único de desafios, com grande parte da narrativa centrada na perspicácia de Anne quando se trata das excentricidades e ambições subjacentes daqueles ao seu redor. A introdução de momentos diretos para a câmera e doses de humor contemporâneo tornam a jornada interior de Anne imediatamente relacionável, de uma maneira que poderia ter sido impossível sob as convenções padrão do drama regencial. “Esta é, em última análise, uma peça sobre saudade, e elementos disso são muito difíceis de dramatizar”, diz Cracknell, contextualizando sua abordagem suavemente iconoclasta. “Quebrar a quarta parede nos dá a oportunidade de ver o que ela pensa e entender para onde ela está indo.”

De fato, para Cracknell e sua equipe de redação, esses momentos pareciam incorporados ao texto original. “Acho que tentar tirar a poeira das ideias tradicionais sobre o que sua escrita representa e para quem ela é escrita foi muito importante – permitir que a anarquia, o humor e a raiva de sua escrita surgissem, porque está tudo lá,” ela diz, enquanto também observa que as explorações protofeministas de gênero do romance pareciam oferecer à equipe licença para se aprofundar ainda mais nessa sensibilidade. “Anne é uma espécie de grade dentro de uma estrutura que ela ainda não vê”, acrescenta Cracknell.

Assim também o filme tem alguma licença artística alegre quando se trata de trazer o mundo da Regência da Grã-Bretanha de volta à vida vívida. Em vez de recriar servilmente todos os vestidos ou características de design de interiores até o último detalhe, o frescor e a modernidade de Persuasão de Cracknell são refletidos no figurino que intencionalmente mostra os suntuosos gorros, anquinhas e crinolinas das adaptações de Austen do passado, em vez disso, inclinando-se para algo um pouco mais discreto.

Inicialmente destinada a refletir o foco intenso do filme na vida interior de Anne e deixar as performances dos atores brilharem, as silhuetas mais elegantes da figurinista Marianne Agertoft e a paleta suave de tons frios também vêm com sua própria beleza delicada. “Para mim, foi uma oportunidade realmente emocionante de me afastar um pouco das convenções dos dramas de fantasia da Regência e fazer algo um pouco mais minimalista e descomplicar um pouco”, diz Agertoft. “Assim que li o roteiro, tive uma ideia bastante clara de onde queria levar a protagonista e sintonizar aquele espírito cômico e rebelde com o qual Dakota e Carrie estavam trabalhando.”

De fato, mais do que tudo, Persuasão parece um novo tipo de adaptação de Austen simplesmente pela enorme quantidade de diversão que oferece. (Seria difícil encontrar uma adaptação anterior com tantas risadas por minuto.) “Quando li o roteiro pela primeira vez, adorei porque era incrivelmente engraçado”, diz Cracknell. “Isso me fez rir quando li na página, o que é bastante incomum. Foi um verdadeiro mimo. Eu me senti tão livre fazendo esse filme.” Então foi tão divertido de fazer quanto de assistir? “Foi muito divertido”, diz Johnson, com uma brincadeira que não poderia ser mais Anne Elliot se ela tentasse.

Tradução: Equipe DJBR | Fonte

Confira as novas stills de Persuasão em nossa galeria.

DJBR_0004.jpgDJBR_0003.jpgDJBR_0005.jpgDJBR_0006.jpg

DJBR_0007.jpgDJBR_0008.jpgDJBR_0009.jpgDJBR_0010.jpg

Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Dakota Johnson Brasil © 2020  
Host: Flaunt Network | DMCA | Privacy Policy