Seja bem-vindo ao Dakota Johnson Brasil, sua fonte mais atualizada de informações sobre a atriz no Brasil. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue ao lado e divirta-se com todo o nosso conteúdo. O Dakota Johnson Brasil não é afiliado de maneira alguma a atriz, sua família, amigos ou representantes. Este é apenas um site feito de fãs para fãs, sem fins lucrativos.

Dakota Johnson vem de uma linha de mulheres impactantes. Agora, ao deixar sua própria marca, Molly Creeden a encontra para conversar sobre matriarcas, maternidade e movimentos em Hollywood.

“Você conhece o The Birthday Book?” Pergunta Dakota Johnson. Ela está sentada em uma mesa à luz de velas; olhos azuis inquisitivos, franja tão habilmente roçando suas sobrancelhas que sua manutenção parece um trabalho de tempo integral. “É um grande livro que passa todos os dias do ano e fala sobre você e outras pessoas nascidas no seu aniversário. Eu nasci no Dia dos Incorrigíveis.”, diz ela. E eu penso, “isso faz sentido”.

Já estamos no Shutters On the Beach há uma hora, o sol de inverno se pondo sobre a areia de Santa Monica. Johnson estava atrasada, algo relacionado à conversa com Andrew Garfield e o tráfego de Los Angeles, e eu estava me recuperando de uma festa na noite anterior, então começamos abordando cada uma de nossas necessidades.

“Provavelmente deveríamos pedir batatas fritas porque você está de ressaca” diz ela, depois de pegar um chá para si mesma. Ela segura a bebida quente em suas mãos enquanto explica mais sobre que tipo de pessoa ela é, cuja essência aparentemente pode ser atribuída à 4 de outubro de 1989, o dia em que ela nasceu. Por um lado, ela recusa a autoridade. “Eu não gosto de regras estúpidas, como regras por causa das regras. Ou pessoas implementando regras porque estão buscando poder”, diz ela com firmeza. “Se uma cadeira está marcada como, ‘Não sente aqui’, eu fico tipo, ‘Por que diabos não?’ Não sei de onde veio isso e por que é tão ruim”, diz ela, balançando a cabeça.

Como uma presença, porém, Johnson parece o oposto de incorrigível: absurdamente serena, com uma voz tranquilizante que parece diminuir seu ritmo cardíaco enquanto ela fala. Essa calma sobrenatural é surpreendente devido à sua educação, que envolveu pais importantes (Melanie Griffith e Don Johnson), avós (estrela de cinema dos anos 60, Tippi Hedren) e seu padrasto (Antonio Banderas), e o fato de que ela foi criada em sets de filmagem em todo o mundo. Ela aprendeu a dirigir no palco onde seu pai filmou o drama policial Nash Bridges.

Ao contrário da maioria dos humanos, famosos ou não, Johnson parece confortável com o silêncio escancarado; seja em uma conversa muito pública (veja sua entrevista com a Ellen, famosa nas redes sociais pelos longos silêncios entre a anfitriã e a convidada), ou entre duas pessoas dividindo batatas fritas. Ela permanece em uma pausa profunda pelo que parece ser um minuto inteiro depois que eu pergunto por que ela consegue suportar o tipo de silêncio que faz a maioria das pessoas se contorcer. Finalmente, ela quebra, mas parece confusa. “Bem, o que eu faria para lutar contra o silêncio?”

Não é apenas sua contenção. Johnson emite o tipo de compostura sem pressa que faz você sentir que vai adormecer enquanto ela lê as instruções do GPS em voz alta. Ela sabe que sua turnê pela Architectural Digest House (com mais de 501.000 likes no YouTube), em que ela discute sobre seu sofá de mohair e uma mesa feita de madeira do iate de Winston Churchill, é comparada ao ASMR? “Eu estava com tanta ressaca ao fazer aquele vídeo”, diz ela. “É provavelmente por isso que eu estava tão calma.” Mas de onde vem isso? Ela considera a questão.

“Bem, meus pais são… eu não acho que entendi deles, eles eram selvagens quando eu estava crescendo” diz ela, indiretamente fazendo referência às tribulações de Don Johnson e Melanie Griffith com vícios e festas nos anos noventa. “Acho que talvez esteja protegida”, diz ela. “E isso parece tranquilo.”

Johnson é de fato cautelosa e claramente hábil em reter informações que poderiam acabar como gravetos de tabloide. Desde 2017, ela namora Chris Martin do Coldplay e, quando em público, o casal atrai milhares de paparazzis em ambos os lados do Atlântico. Eles buscaram uma existência tranquila em uma casa moderna no estilo Cape Cod em Point Dume, Malibu. “Estamos juntos há um bom tempo e saímos às vezes, mas ambos trabalhamos tanto que é bom estar em casa e ser aconchegante e privado. A maior parte da festa acontece dentro da minha casa”, diz ela sobre amigos que estão na indústria do entretenimento ou são próximos dela.

Aos 32, Johnson luta com o espaço liminar entre os jovens e os não tão jovens. “Eu me sinto com 48 e 26 anos,” diz ela. “Eu tive muita vida na minha vida. Tive muita vida muito jovem, então acho que me sinto mais velha.” Isso parece consistente, eu observo, com o fato de que, após esta entrevista de sexta à noite, ela irá para casa assistir Elle Fanning na segunda temporada de The Great (A Grande). Johnson ri. “Eu sei! Eu sou tipo, é sexta-feira! Eu deveria ficar um pouco tipo ‘foda-se’. E às vezes eu faço! Mas tenho trabalhado tanto que beber chá e assistir TV me atraiu.”

Nem sempre foi assim. A tendência incorrigível de Johnson significou que ela foi enviada para um colégio interno católico só para meninas por um ano do ensino médio. Lá ela conheceu uma garota chamada Justine, que havia chegado à Escola Santa Catalina após ser expulsa de outra. As duas se tornaram amigas rapidamente e imploraram para serem companheiras de quarto, criando laços por causa de livros, música e grunge. Johnson não teve saudades de Santa Catalina. “Eu deveria ser uma debutante e me divertir muito, mas não me saí bem”, diz ela. O vínculo com Justine, no entanto, durou. Sua amiga foi para Nova York e Paris, tornou-se fluente em francês e espanhol e, em seus vinte e poucos anos, apresentou a Johnson os romances napolitanos de Elena Ferrante – a série italiana de amadurecimento que narra a complexa amizade de 60 anos entre duas mulheres. Johnson credita Justine por desafiá-la ao longo de sua vida; reconhecendo uma curiosidade dentro de si mesma que ainda não via. “Na verdade, ela é minha amiga brilhante,” diz ela, referindo-se ao título do romance mais famoso de Ferrante.

Então, em 2018, quando a atriz Maggie Gyllenhaal recebeu a bênção de Ferrante para adaptar e dirigir o roteiro de The Story of the Lost Child – o quarto romance da série – o interesse de Johnson foi despertado. Ela estava empenhada no papel de Nina, uma bela jovem mãe em férias com sua família na Grécia, que encontra Leda (interpretada por Olivia Colman), uma professora de meia-idade com uma abordagem pouco ortodoxa da maternidade que lança uma sombra sobre seu passado. Para Leda, está claro que Nina é um objeto brilhante sendo esmagado pelas demandas dos pais e pelas expectativas do mundo em relação às mães. “Não leio mulheres como Nina com muita frequência”, lembra Johnson, cuja carreira incluiu papéis dramáticos e cômicos em redes de televisão, sucessos de bilheteria globais, indies e comédias. “É muito raro ler uma jovem que está perdida, se afogando, zangada e com vontade de ser vista, que não é a ideia totalmente formada de alguém de como uma mulher deveria ser.”

Ela buscou um encontro com Gyllenhaal, durante o qual “nos aprofundamos na experiência de ser mulher, tanto no cinema quanto neste mundo”, diz Johnson. “Eu estava tipo: Eu farei qualquer coisa. Eu realmente queria segui-la.” Gyllenhaal ficou igualmente impressionada ao conhecer Johnson: “Dakota leu o roteiro e disse: “Eu quero tentar algo que nunca tentei antes, e eu quero fazer isso com você.” E acho que foi isso que aconteceu. Eu meio que peguei sua mão e disse: “Vamos”.

Gyllenhaal lembrou Johnson de outras mulheres importantes em sua vida. Mulheres como Justine, que a puxou para outro nível. “Não sei se você já teve isso em que conhece outra mulher e vê nelas partes de si mesma que não sabia que tinha antes de se conhecer,” explica ela. “É quase como se elas mudassem o controle da sua vida. E Maggie tem sido essa pessoa para mim. Ela é uma buscadora da verdade.”

Johnson fala muito sobre esse tipo de mulher. Aquelas cuja conexão tácita – semelhante àquela que eletrifica Leda e Nina no filme – a faz evoluir. Mulheres como Sam Taylor-Johnson, que a dirigiu em seu papel em 50 Tons de Cinza, Leslie Mann, sua co-estrela no próximo filme de sua própria produtora, Cha Cha Real Smooth, sua terapeuta, que Johnson a chama de ‘heroína positiva’, e a mãe do namorado do colégio, que continua sendo importante para ela.

“Ela era apenas um tipo diferente de mãe,” ela explica sobre a última. “Ela é profundamente espiritual e focada. Minha mãe é carinhosa e amável”, diz ela, “mas às vezes você precisa de algo a mais de alguém.” A influência dessas mulheres na atuação de Johnson em The Lost Daughter (A Filha Perdida), um filme calmo e abrasador que é honesto – e radical – sobre as realidades de como as mulheres se relacionam com a experiência de criar filhos.

Ao apresentar um retrato implacável da dura fisicalidade da maternidade, sua abnegação sufocante, sua barganha enlouquecedora e amor eufórico, A Filha Perdida de Gyllenhaal aborda questões que estão profundamente estabelecidas na experiência da maternidade: e se você não gosta de ser mãe? E se você admitisse em voz alta? E se – como os homens fazem há anos – você abandonasse a responsabilidade de criar seus filhos?

Em suas expectativas de trabalhar ao lado de sua famosa co-estrela Olivia Colman, Johnson é tipicamente serena. “Bem, eu estava tipo, eu me pergunto como ela vai ser?” Ela lembra. “Mas nós nos amávamos. Ela é tão maternal e acolhedora e sempre quer sair, beber vinho e conversar.” Johnson tem observado as mulheres reagindo a este filme enquanto ela comparece às exibições. Elas lutam. Elas choram. Ela percebeu que às vezes as mulheres mais jovens ficam com raiva. “Elas vão assistir Leda e dizer: “Ela é uma pessoa horrível, eu a odiei, ela é tão desagradável.” Durante as filmagens, Johnson pensou muito sobre sua própria mãe, uma mãe trabalhadora de três filhos e alguém que ela descreve como capaz de tornar tudo possível. “Ela foi capaz de ser uma mãe carinhosa, generosa e amável, e fez seu trabalho, de ser uma parceira incrível para seus maridos. Mas também houve tempos realmente sombrios. Então, a questão é dizer que nada é perfeito o tempo todo – nada.”

Eu pergunto se Griffith viu o filme. “Ela já viu isso três vezes,” diz Johnson, erguendo as sobrancelhas. “Acho que vem de ter orgulho de mim. Eu também acho que é algo que ela não tinha visto na tela antes, e ela fica tipo, “Você pode dizer: eu odeio ser mãe hoje?”

Sua avó, Tippi Hedren, ainda não viu o filme. “Acho que ela vai adorar”, diz ela, cheia de afeto. “Ela é tão complexa. A maioria das mulheres vão adorar, eu acho. Depois que dói, elas adoram.”

“Gucci!” Dakota responde, quando eu pergunto quem fez sua blusa lilás com laços, calças de cintura alta e casaco com fivela que ela está usando hoje. “Sair para o mundo, fazer cabelo e maquiagem e usar uma roupa para ter uma certa aparência, é super chocante”, diz ela. “Então, usar roupas nas quais eu me sinta é essencial. Eu sinto que ok, esta é uma versão de mim.”

Seu conjunto a faz parecer uma mulher de negócios, uma identidade com a qual ela está tentando se acostumar. “Eu continuo colocando mais empregos para mim”, diz ela. A incorrigibilidade esteve parcialmente por trás da decisão de fundar sua própria produtora em 2020, depois de ficar frustrada por não ter uma visão mais holística de seus projetos de atuação. A Tea Time Pictures tem atualmente uma lista de 25 filmes e programas de TV, dois dos quais – Cha Cha Real Smooth e Am I Ok? – fizeram parte do Festival de Cinema de Sundance.

“Por muito tempo, atuei em filmes e, quando saí, às vezes é completamente diferente. E é muito difícil lidar com isso como uma pessoa vulnerável para ganhar a vida, porque parece que algumas coisas são roubadas”, explica Johnson. O objetivo do Tea Time é criar oportunidades para jovens talentosos, ao mesmo tempo que dá a Johnson e sua também fundadora, a ex-executiva de desenvolvimento da Netflix, Ro Donnelly, a autoridade criativa que ela tanto desejava.

Além de assumir o papel de produtora, Johnson é investidora e co-diretora criativa da marca de bem-estar sexual Maude. “Quando a fundadora, Éva Goicochea, e eu nos conhecemos, pensei: É exatamente assim que penso sobre isso – o que quer dizer que os produtos devem ser inclusivos e diretos, limpos e acessíveis. Se você adora um vibrador rosa gigante, todo o poder para você. Essa não é a minha vibe – ha! Vibe,” diz ela, se controlando. “Mas acho que é saudável ter acesso à produtos de bem-estar sexual de qualidade”. Johnson está envolvida no desenvolvimento de todos os produtos, de vibradores à sabonetes. “Então, ser capaz de dizer…” Johnson para no meio da frase. “Só estou lembrando que tive um sonho com nosso plug anal na noite passada. Estávamos olhando para os (protótipos) e um era grande demais. No meu sonho parecia assim” – ela pega duas cabaças decorativas da mesa e as mantém juntas – “e eu estava tipo, ‘Ninguém vai conseguir colocar isso na bunda!” Nós rimos, mas Johnson vê o sonho como uma representação de seu desejo de explorar ‘o que pode ser a experiência mais agradável, chique e de qualidade’.

Filha de uma dinastia de Hollywood, empreendedora vestida de Gucci, atriz, parceira, amiga leal… Há mais profundidades a serem descobertas por trás do exterior sereno de Johnson. Mas essas são camadas que ela descascará para seus confidentes mais próximos e para os papéis que precisam dela para acessar essa crueza. O resto de nós faria bem em dar a incorrigível Dakota Johnson o espaço para continuar desafiando tudo; seja pelo barulho que seu trabalho faz ou pelo silêncio que ela abraça.

A Filha Perdida já disponível está na Netflix.

Tradução: Equipe DJBR | Fonte

Confira a sessão fotográfia da Dakota para a Elle UK em nossa galeria.

PHOTOSHOOTS > SHOOTS NOMEADOS > 2022 > ELLE UK

DJBR_0010.jpg DJBR_0012.jpg DJBR_0003.jpg DJBR_0001.jpg

Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Dakota Johnson Brasil © 2020  
Host: Flaunt Network | DMCA | Privacy Policy