Seja bem-vindo ao Dakota Johnson Brasil, sua fonte mais atualizada de informações sobre a atriz no Brasil. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue ao lado e divirta-se com todo o nosso conteúdo. O Dakota Johnson Brasil não é afiliado de maneira alguma a atriz, sua família, amigos ou representantes. Este é apenas um site feito de fãs para fãs, sem fins lucrativos.

Dakota Johnson, Jessie Buckley e Olivia Colman concederam uma entrevista à revista Total Film. Confira a tradução abaixo:


Olivia Colman, Jessie Buckley e Dakota Johnson estrelam na estreia marcante na direção de Maggie Gyllenhaal, a qual explora a história menos contada da maternidade, quando um feriado na praia dá uma virada sombria. O trio conta à Total Film como a admiração mútua e Mai Tais ajudou a fazer The Lost Daughter um candidato a prêmios.

Está claro, ao sentar-se em uma suíte de hotel em Londres com Olivia Colman, Dakota Johnson e Jessie Buckley, que quando elas dizem que gostaram de trabalhar juntas, não é em benefício dos centímetros da coluna. Terminando as frases umas das outras e se provocando, as mulheres estão sentadas em frente do plano de fundo de uma praia banhada pelo sol e mais tarde darão as mãos nos tapetes vermelhos quando seu filme for lançado no Festival de Cinema de Londres.

Com sua belíssima cinematografia da Grécia e as brincadeiras alegres das estrelas, você pode ser perdoado por pensar que seu projeto, The Lost Daughter, era uma comédia romântica ou pornografia de viagem. Mas a estréia na direção de Maggie Gyllenhaal a partir de seu próprio roteiro adaptado do romance de Elena Ferrante é um thriller ousado e questionador que engana os espectadores a cada passo e promove a conversa sobre papéis femininos na sociedade, arrependimento e falta dele. Filmado no ano passado na ilha de Spetses, The Lost Daughter segue a acadêmica britânica Leda (Colman) enquanto ela tira férias de trabalho para a região da Ática. Enquanto lê em sua espreguiçadeira, ela observa a jovem mãe americana, Nina (Johnson), e sua filha – descobrindo memórias dolorosas de seu passado. Buckley ensina a jovem Leda, presa em um casamento sufocante e lutando para manter um senso de si mesma.

Tocando com ótimas críticas em festivais recentes, é um filme que posiciona a mulher sem remorso como personagens complexos com vidas ricas e confusas. Há discotecas ao som de Bon Jovi, roubo imprudente, sexo em hotel e um acerto de contas muito pontudo… Não é de admirar que isso esteja na conversa sobre prêmios quando a estrada para o Oscar começa.

PARA MULHERES, HÁ MUITA VERGONHA EM TER DIFERENTES PENSAMENTOS SOBRE SE TORNAR UMA MÃE

Foi tão lindo filmar na Grécia quanto parecia?

Olivia Colman: [impassível] Horrível. Passamos um tempo terrível…

Dakota Johnson: … realmente um lugar merda…

OC: …foi incrível. Nós tivemos muita sorte. Durante um tempo onde para todo mundo está sendo uma merda [com Covid], nós estávamos nessa linda bolha. E no final, nós podíamos todos ir nadar no mar.

Jessie Buckley: Foi um trabalho dos sonhos – nós estávamos fazendo um ótimo filme, com um roteiro brilhante, com todas essas pessoas brilhantes. Tem sido um dos melhores trabalhos que eu já fiz.

DJ: Sim. E nós amamos umas as outras. Foi muito, muito especial. Isso raramente acontece, eu acho. Foi originalmente criado para ser filmado em Nova Jersey, então Halifax, Nova Scotia, mas eu acho que há uma energia em Spetses, que é um pouco lânguido, e meio misterioso. Eu não tenho passado muito tempo em Nova Jersey, a maior parte do tempo que eu passo é assistindo Jersey Shore. E é uma vibe diferente.

OC: Eu nunca vi isso. É algo tipo Real Housewives?

DJ: Sim, é bom.

OC: Oh, divertido! Vou assistir.

Jessie estava filmando na ilha antes de vocês duas chegarem – ela tem a vantagem…

OC: Comecei a me preocupar se você iria entrar e fazer algo completamente diferente [dela], e ninguém acreditaria que éramos as mesmas. Então Maggie disse, “Eu posso te mostrar algumas cenas”. E eu comecei a assisti-las, mas pareceu errado assistir algo antes de tudo ser terminado. Eu não me senti como uma boa amiga. Então eu decidi, “Nós confiamos uma na outra. Maggie vai nos dirigir de volta se eu estiver inter pra longe”. E eu apenas sabia que Jessie seria incrível, e eu tive que tentar, realmente, viver de acordo com ela. Assistindo suas partes, acho que são as partes mais tristes para mim – as partes mais difíceis de assistir. Ela é simplesmente incrível.

DJ: Eu queria ter tido cenas com Jessie. Nós nos apaixonamos muito uma pela outra. Eu acho que se tivéssemos trabalhado juntas, teríamos apenas nos transformado em uma pessoa com duas cabeças. Nos tornaríamos Hydra.

JB: Temos idades parecidas, e nós duas viemos à esse filme por uma razão. Ela é uma alma especial, sabe? E realmente uma mulher interessante e complicada. E uma risada! Eu me sinto totalmente apaixonada por ela também. Eu estou triste que agora não consigo sair mais com ela. Mas mantivemos contato e estou tentando convencer ela a se mudar pra Inglaterra.

Dakota e Olivia, vocês interpretam estranhas que estão fascinadas uma pela outra no filme – vocês mantiveram distância no set?

OC: Oh, não. Nós estávamos segurando a mão uma da outra em nossos bolsos o tempo todo. Toda noite – porque Jessie tem a voz de um anjo – ela canta toda noite. Todos nós bebíamos Mai Tais. Eu me senti realmente mal que nossas famílias estavam em casa, segurando o forte, olhando por todos. Eu tentei não contar a eles toda a história [risadas]. [Mímicas no telefone] “Nós estamos sentindo muitas saudades de vocês. É realmente difícil”. Enquanto alguém estava tipo “Mais Mai Tais!” “Shhh!”.

Olivia e Jessie, vocês duas interpretaram a mesma personagem em diferentes pontos da sua vida. Como vocês criaram esse retrato juntas?

OC: Não pudemos nos encontrar antes. Estávamos em quarentena. Nós nos ligamos e dissemos “Então, somos de Leeds, com um sotaque de Yorkshire muito, muito suave e genérico…” Porque se nós duas tentássemos fazer um completo ‘Leeds’, nós definitivamente teríamos diferenças em nossa interpretação por isso. E você sabe, não há como superar o fato de que vocês são duas pessoas diferentes. E uma mulher em seus vinte e trinta anos é diferente dos seus quarenta e cinquenta. Você se torna uma pessoa diferente de qualquer jeito. Então Maggie disse, “Não importa. Há um montão de licença artística aqui. Jogue o quanto você quiser”.

JB: O que foi uma conversa mais interessante de ter conosco independentemente foi: essa mulher tendo diferentes capítulos em sua vida e sendo a mesma, porém diferente. Ela viveu – e não tentando reduzi-la a algo contido ou particular que nós não compartilhamos.

DJ: Sim. Maggie também percebeu no outro dia que Jessie e Olivia tem aproximadamente a mesma cor de olho, algo que ela não tinha pensado sobre antes.

Como foi finalmente ver outras versões da mesma personagem?

JB: Eu digo, eu tenho assistido a dança de Olivia Colman para Bon Jovi qualquer noite da semana. Nos dê uma garrafa de vinho, e estamos feitas [risadas].

Vocês todas retrataram mulheres que são ideias complexas e desafiadoras de como a maternidade deve parecer. Teve algo que vocês acharam importante mostrar para o público?

OC: Sim, e Maggie estava dizendo que ela tinha a mais extraordinária resposta, com as pessoas indo, “Obrigada por dizer essas coisas em voz alta”. Você imagina essa coisa [maternidade], que vai acontecer com você e vai ser fácil e idílico e fofinho e adorável. E você não sabe o minucioso, e os prós e contras e o cansaço básico de tudo. E aparentemente todo mundo pensa isso, mas nós não percebemos isso até alguém dizer isso em voz alta. Então é muito importante para todo mundo saber que você não está sozinho, e é sempre importante ter sua própria história refletida em você, eu acho. É necessário para humanos olhar para eles mesmos.

DJ: Eu não sou uma mãe ainda, então eu sinto que tipo, pra mim, foi tão lindo saber que está tudo bem lutar com o sentimento de ser a mãe de um ser humano e como é viver uma vida um pouco confinada. Ou quando você tem que se deixar de lado. Para mulheres, há muita vergonha em ter diferentes pensamentos sobre se tornar uma mãe e ter medos e desconforto. Eu acho que isso desestigmatiza isso de uma forma realmente interessante, pensativa e poética, onde não há problema em se sentir confuso sobre isso. Você sabe, nem toda mulher tem que ser uma mãe carinhosa. Tem tantas versões diferentes de uma mulher.

JB: Eu apenas penso que foi incrivelmente honesto. Eu me identifico com todas a mulheres nisso, e com a bravura da escrita para ser tão honesta, e a bravura de Elena Ferrante em seu romance e o que ela está realmente tentando expor – o mundo interior do que é, na verdade, ser uma mulher. Uma mãe, uma amante e uma artista e alguém que quer uma vida, e não alguém que quer apenas fazer parte de um sistema do que as pessoas pensam que é ser uma “boa garota” no mundo. A vida é complicada e linda e crianças são um lindo fardo. Isso era o que era tão rico, desafiador e emocionante. Essa luta… isso é vida, não é? É muito difícil.

Conte-nos sobre a experiência de ser dirigida por Maggie…

OC: Eu era uma grande fã antes de nós conhecermos. A primeira vez que a vi foi em Secretary. Então, saber que seríamos cuidadas e estimadas por essa mulher que sabe exatamente como é atuar – nós sempre estivemos confortáveis, sempre nos sentimos seguras, e isso é realmente muito importante, ser capaz de fazer o que você quiser fazer. Foi adorável ser dirigida por alguém que conhece o sentimento.

JB: Maggie é alguém que contém multidões. Ela é realizada, linda e tão inteligente e não tem remorso como mulher, o que eu acho muito interessante. Ela é tipo, “Eu quero fazer um filme, e eu não vou me desculpar por isso. Eu vou fazer, e nós vamos fazer juntos, e nós vamos nos divertir”. Desde o primeiro dia, ela estava tipo, “Vamos cair todo o penhasco juntos, de qualquer maneira”. E nós caímos. E eu confio nela para tudo.

Jessie, você também tem cenas com o parceiro real de Maggie, Peter Sarsgaard. Foi interessante criar momentos com ele através das lentes de Maggie?

JB: Somos ambos atores, e somos adultos. Peter é um ator incrível. Foi tipo rock’n roll. Não há estranhamentos. Ele é um homem brilhante e eles são um casal brilhante. Eles se completam. Se você está olhando para um modelo completo de como nós vivemos como humanos – são eles. Não há pretensão. Eles estão realmente interessados em crescer e investir em algo que é realmente honesto e verdadeiro. Eu amei trabalhar com ele, com Maggie. E eu acho que é muito legal que eles fizeram isso.

O filme também fala sobre ambição e que não é algo que as mulheres são incentivadas a mostrar. Isso era algo com o qual você poderia se relacionar pessoalmente?

JB: Oh, sim. Acho que está tudo bem se dar permissão para querer a vida. O que quer que você seja – homem, mulher, ele, ela, eles, seja o que for. É tão curto e há muito para explorar e experimentar. Como quer que você procure, onde quer que você encontre, isso é com você.

OC: Aquela parte [no filme], quando as crianças são pequenas, e é a vez do marido de cuidar delas, e ele não respeita o acordo que fizeram – isso não é algo que reconheço. Tive muita sorte – meu parceiro de escolha, nós genuinamente apoiamos um ao outro. Eu não poderia ter chegado aonde cheguei sem que alguém dissesse: “Com certeza, faça isso. Eu segurarei a barra.” e vice-versa.

DJ: Eu sinto que tenho um nível sobrenatural de ambição, e você tem que ter, se você faz esse trabalho, tem que haver um nível de combate a tanta rejeição e crítica. E especialmente como uma mulher, tendo que me provar e convencer as pessoas. É exaustivo, mas é quase como uma visão de túnel que você precisa ter, ou então é paralisante. Tive uma conversa com minha irmã outro dia sobre propósito, e “qual é o sentido de estar vivo?” – quero dizer, isso é muito existencial…

OC: Eu não falo sobre coisas assim com meus irmãos [risos]

DJ: Mas como você sabe qual é o seu propósito? Quando você sabe muito claramente: “Isso é o que eu quero fazer”, é uma sorte ter esse sentimento, no caso da minha personagem, Nina, ela não é capaz de fazer isso. Ela não foi necessariamente criada em um ambiente que era tipo, “Você é forte o suficiente para seguir seu coração”. Ela está faminta por atenção, atenção para seu verdadeiro eu, não apenas seu corpo ou alguma besteira.

Vamos falar sobre esse look dela também – cabelo preto, maiôs espalhafatosos…

DJ: Maggie e eu trabalhamos nisso um pouco, e passou por várias fases diferentes. Eu tirei muito das primeiras fotos de Megan Fox. Há algo sobre ela nessas primeiras fotos – essa selvagem… É tipo sexualidade, que parece que ela está entediada. E eu gostei desse visual. Eu achei muito, muito divertido, até que, você sabe, eu estava com os maiôs mais ridículos, eles são simplesmente loucos. Além disso, há apenas uma pequena quantidade de tempo na minha vida em que eu posso fazer isso [risos]. Então, só para rir, foi como fizemos o guarda-roupa.

Leda também é franca e ousada – não vai mexer a espreguiçadeira se não quiser, vai reclamar do mau comportamento no cinema. Como foi ser essa pessoa, Olivia?

OC: Isso é o que é tão bom no trabalho que fazemos. É libertador. Eu não sou uma pessoa que grita ou confronta na vida real. Então, poder jogar é muito divertido. É um bom lançamento.

DJ: Sim! Houve uma cena em que Nina estava gritando com o marido na praia, e eu achei hilário.

OC: Fazer ele agarrar sua bunda não estava no roteiro…

DJ: Não, não estava. [seu estômago ronca] Meu estômago está fazendo muitos ruídos.

OC: Você já tomou café da manhã? [Dakota balança a cabeça tristemente] Aww, idiota.

Já existe uma conversa sobre prêmios em torno deste filme – é encorajador que um filme como este esteja nessa conversa?

DJ: Eu acho que é legal pra Maggie e importante pra caralho. E cineastas novatos são a voz de agora. As pessoas devem ser reconhecidas. Qualquer pessoa deve ser reconhecida por fazer algo surpreendente. É assim que o mundo deveria ser. Então, sim, estou nessa.

JB: É tão lindo que essas mulheres malvadas estejam sendo vistas e tendo a oportunidade de fazer um filme. Acho que Jane Campion disse que se você der uma chance às mulheres, elas farão um filme muito bom, sabe? E há muito a ser dito.

THE LOST DAUGHTER SERÁ LANÇADO NOS CINEMAS EM 17 DE DEZEMBRO E NA NETFLIX EM 31 DE DEZEMBRO

Tradução: Equipe DJBR

Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Dakota Johnson Brasil © 2020  
Host: Flaunt Network | DMCA | Privacy Policy