“Eu quero começar a produzir”, Dakota fala sobre o futuro de sua carreira, família e mais em entrevista à Marie Claire Italia

Confiram a entrevista de Dakota Johnson para a revista italiana Marie Claire:

Dakota sussurra um, “Olá gente!” enquanto se esconde rapidamente atrás da tela com sua maquiadora e cabeleireiro. Sua agente a segue, com um iPhone em uma mão e Starbucks na outra, e elas começam a falar imediatamente com o fotógrafo. Será um longo dia, o primeiro clique sai após duas horas e meia. Terei que fazer as perguntas no final, eles me dizem. Sem problemas, eu penso, estúdios fotográficos, entrevistas. Tenho certeza que está no sangue dela, já que é da terceira geração de um clã que é chamado de Realeza Hollywoodiana, a nobreza Hollywoodiana. Sua avó é Tippi Hedren, uma atriz fabulosa de 88 anos, musa de Alfred Hitchcock (Os Pássaros, Marnie), sua mãe é Melanie Griffith, atriz dos anos 80 e 90 (Uma Secretária de Futuro) e seu pai é Don Johnson (protagonista de Miami Vice).

Dakota estreou como atriz bem do lado de sua mãe, em Loucos do Alabama, dirigido por seu padrasto Antonio Banderas, com quem ela cresceu. “Eu tinha nove anos,” ela diz, “e eu estava tão feliz por finalmente ser incluída na tradição familiar. Levei muito à sério, trabalhei em minha voz e sotaque com um professor. Gravar filmes faz parte de algo que eu sempre quis fazer.” Então, no entanto, 10 anos se passaram antes de seu segundo filme, “Porque meus pais queriam que eu terminasse a escola e eu acho que foi a coisa certa a se fazer.” Apesar da familiaridade com a fama, em nosso set, Dakota fica cautelosa quando o fotógrafo se aproxima para mostrar à ela a posição para a foto. Ela o observa entrar em sua zona de conforto para enrolar as barras de suas calças. Uma cautela que não é por nossa causa, mas uma suspeita levemente inerte, dada a irônica resposta à pergunta: Em quem você confia em Hollywood? “No meu psicanalista.”

Ela tem um ar de misteriosa, mas se solta quando fala de dois italianos dos quais é musa: o designer Alessandro Michele e o diretor Luca Guadagnino, que também a queria no remake do filme Suspiria. Dakota Johnson vem de uma dinastia de mulheres fortes: da mãe Melanie Griffith e avó Tippi Hedren, que ousou fechar a porta na cara de Hitchcock. Mas ela, em Hollywood, apenas confia em seu psicanalista.

Os melhores amigos que uma garota pode querer em Hollywood são um diretor com um gosto estético refinado e um estilista que está à altura para torná-la sua musa. Dakota Johnson, 28 anos, encontrou ambos. Eles são italianos e muito fieis à ela. Alessandro Michele, o diretor criativo da Gucci, a escolheu há alguns anos para ser o rosto da fragrância Gucci Bloom e recentemente a confirmou também para a última versão do perfume, Acqua Di Fiori. Luca Guadagnino trabalhou com ela há três anos em A Bigger Splash, inspirado em A Piscina, no papel de Jane Birkin, e então ofereceu à ela um segundo filme. Dakota estará protagonizando o remake de Suspiria, filme de terror de 1977 do diretor Dario Argento, agora em pós-produção: “Nós começamos a falar sobre o projeto já no set de filmagens do primeiro filme, mas levou três anos para encontrar o momento certo para mim e para Tilda Swinton. Nós gravamos e foi louco.” Louco? “Para mim, louco nunca é inteiramente positivo ou negativo. Mas eu sei que quero fazer filmes com Luca pelo resto da minha vida. Me tornei muito possessiva por ele (risos) e sei que tenho que compartilhá-lo com Tilda. Então vamos dizer que nós três faremos filmes juntos para sempre.” Durante nossa entrevista no Milk Studios em Los Angeles, onde as fotos foram tiradas, Dakota nem esconde sua afeição pelo estilista: “Com Alessandro, nós construímos uma colaboração profissional e uma linda amizade. Ele é genuinamente uma pessoa amável, não há nada falso nele. Eu o admiro porque a conexão entre seu coração e cérebro é um fluxo constante. Parece que falamos a mesma língua, mesmo que na realidade falemos linguagens diferentes.”

Um terremoto mexe com o cinema norte-americano e Dakota não segura o que tem a dizer. Ela o fez, silenciosamente, ao reativar seu perfil no Instagram (ela havia deletado todas as suas fotos há um ano e meio) ao passar a fazer parte da campanha Time’s Up, iniciativa que nasceu do movimento #MeToo, com um apoio legal e gratuito àqueles que sofreram assédio no local de trabalho: “Se eu pudesse fazer algo… Bem, eu moveria as coisas imediatamente para uma direção completamente diferente. É um momento incerto, triste e às vezes assustador. Quanto mais as mulheres discutem e agem juntas, mais chances haverá de realmente mudar a situação. O laço feminino é fundamental, as disputas entre mulheres é a forma mais brutal que existe. Ninguém pode te machucar como outra mulher. À essa altura, eu espero que em todos os ambientes de trabalho, nós comecemos a nos apoiar, porque é a base essencial para a mudança de verdade.” Ela não poderia pensar de outra forma por causa do que sua avó passou, contado por ela mesma em sua autobiografia Tippi: A Memoir sobre a obsessão obscura de Hitchcock por ela. Na época, ela não podia falar sobre isso com ninguém. O livro, publicado um ano depois do escândalo de Weinstein, deu ao fenômeno uma perspectiva desanimadora do passado. O diretor a tormentou com convites não solicitados, seguido por vingança, até a agressão de verdade durante as filmagens de Marnie, que Tippi conseguiu escapar, enquanto Hitchcock jurou arruinar sua carreira. Daquele momento até o fim das gravações o diretor só a chamava de “a garota”, nunca mais pelo nome, e depois de dois anos de contrato, não permitiu que ela trabalhasse para ele ou outros. Tippi nunca se arrependeu, e em uma recente entrevista de rádio com sua filha e neta, ela disse: “Eu nunca fechei a porta atrás de mim tão forte como naquela época.”

As vidas das mulheres da casa mostram um aspecto que a última geração parece não querer replicar. Mãe e avó, ambas tiveram três maridos e se casaram muito jovens, enquanto Dakota mantém privada sua vida amorosa, último namoro sendo com Chris Martin do Coldplay. Nos bastidores, ela está envolvida em outra coisa: “Eu quero começar a produzir, porque o poder verdadeiro é criar conteúdo. Nos últimos dois anos, eu tive dificuldade em achar as histórias e personagens que gostaria de ver nas telonas. Pensei que, se o conteúdo que eu quisesse não existe, teria que começar a criá-lo… Estou com seis projetos diferentes agora. Há tantas atrizes, roteiristas, diretores com quem eu gostaria de desenvolver algo.” A voz não é mais sussurrada, talvez uma reflexão involuntária do fato que esses são os temas que ela prefere falar sobre. “O mais concreto é que, estou trabalhando com a Amazon, mas ainda estamos reescrevendo o roteiro, o título é ‘Unfit’, baseado no livro de Adam Cohen, ‘Imbeciles’, e conta sobre a esterilização forçada de Carrie Buck, aprovada pela Suprema Corte em 1927 com base em suposta instabilidade mental. É incrível que essa história não é ensinada nas escolas, eu não sabia nada sobre ela. É um tópico atual porque lida com a saúde e diretos da mulher.”

Não é fácil financiar um filme, mas talvez novas empresas na indústria, como Amazon e Netflix, facilitam a tarefa? “Definitivamente. Agora você pode tentar muitos outros caminhos, não somente através dos grandes estúdios. Mas o tempo, o dinheiro… Há muitos fatores a serem reconciliados. O crucial é estar no lugar certo, com o projeto certo e as pessoas certas. E, se der certo, você tem sorte, caso contrário, você estará fazendo outra coisa tentadora, mas é uma atividade agitada.” O que as histórias que você quer contar têm em comum? “Elas são de gêneros diferentes, mas todos os protagonistas nadam contra a corrente.” Mulheres salmão? “Eu realmente admiro aqueles que são corajosos o suficiente para fazer seus sonhos se tornarem realidade, que estão lutando para terem o que querem e que se ferram muito. Especialmente se eles conseguem ser gentis durante a jornada.” “Última pergunta,” eu ouço do outro lado da sala. Última resposta: “Minha geração tem um impulso pessoal que não existia nas anteriores, nós temos as habilidades e a possibilidades de continuar seguindo, mas também somos incrivelmente preguiçosos. Paradoxo bizarro. Alguns conseguem levar suas vidas de uma maneira maravilhosa, outros parecem estar dormindo. Nós deveríamos tentar construir o mundo em que queremos viver, e é isso que estou tentando fazer com meus projetos também.” Parece que Dakota nunca será somente “a garota” para ninguém, diretor ou não.

Fonte | Tradução: Laura M.

SCANS: Entrevista de Dakota Johnson para a ELLE US – Abril de 2018

Na nova edição da revista norte-americana ELLE, contém uma breve entrevista de Dakota falando sobre a nova fragrância da Gucci, chamada “Gucci Bloom: Acqua di Fiori”, sua família e próximos projetos. Além disso, foram liberados dois outtakes promocionais da campanha. Confira tudo à seguir:

O Plaza Hotel de Manhattan, em 1992: Dakota Johnson, de três anos de idade, é acordada à noite pelo casal do momento, seus pais, Melanie Griffith e Don Johnson, voltando para casa de uma festa–Griffith ainda com seu casaco de pele marrom, suas mãos congelando. “O cheiro dela era de neve, seu perfume e cigarros,” Dakota se lembra agora, envolta em um roupão branco macio e segurando um copo de chá. Ela fecha os olhos. “Me lembro disso como se fosse ontem.”

A memória de Johnson para aromas sempre foi um ponto forte. “Eu acho que meu olfato está realmente no ponto,” ela diz. Como o rosto da Gucci Bloom, ela traz uma certa fisicalidade etérea para a natureza intangível do cheiro: Veja-a mergulhar, de vestido, em um lago pitoresco ao lado da modelo/atriz Hari Nef e artista Petra Collins na propaganda romântica da fragrância. Ela saúda a nova “Gucci Bloom: Acqua di Fiori”, com uma diferença verde da fragrância original que será lançada nesse mês, como uma “arte usável”, inventada pelo diretor criativo da Gucci, Alessandro Michele e o perfumista Alberto Morillas. “Há algo misterioso e de-outro-mundo sobre perfumes,” ela diz. “Eles podem realmente criar uma atmosfera. E fazer de você uma atmosfera não é uma coisa linda?”

Nem todas as histórias de beleza de Johnson conjuram imagens tão lindas. Ela credita seu hábito de usar óleo de coco às filmagens do remake do filme de terror italiano do diretor Dario Argento, Suspiria. “Nós estávamos em um hotel abandonado no topo de uma montanha. Havia 30 postes de telefone no telhado, então tinha eletricidade pulsando pelo prédio, e todos estavam dando choque no outro,” ela diz. “Estava frio para caramba, e muito seco. A única coisa que ajudou foi me banhar de óleo toda noite. Agora eu viciei.” Ela também é devota de usar o sublingual Care By Design de conta-gotas para conseguir dormir durante viagens (“Eu tento me apagar em aviões; se eu não faço isso meu mundo inteiro cai”) e um novo hidratante biotecnológico desenvolvido pelo cientista de células tronco alemão e amigo da família, Augustinus Bader.

O DNA A-list de Johnson pode ser detectado em tudo desde sua voz suave e clara como um sino (obrigada, mãe), o nobre ângulo de sua mandíbula (que vem da heroína de Hitchcock, sua avó, Tippi Hedren) até a mistura sofisticada de coragem e vulnerabilidade que ela traz aos seus personagens. “Estou muito ciente de que venho de uma família especial,” ela diz. “Tenho muita sorte de ter essas duas mulheres como minhas matriarcas. Não preciso olhar em outro lugar para achar orientação e inspiração.”

Com a franquia de Cinquenta Tons para trás, e Suspiria“que, sem mentiras, me fodeu tanto que precisei de fazer terapia,”–finalizado, Johnson está focando em sua própria companhia de produção. “Já aceitei o fato de que os projetos nos quais quero trabalhar não existem, então terei que criá-los para mim mesma,” ela diz. “Me sinto incrivelmente grata por estar em uma posição capaz de fazer isso.” Ela arrasou em psicodrama (A Bigger Splash, em 2015), comédia (How to be Single, em 2016) e aventura (The Peanut Butter Falcon, que ainda não estreou), e ainda assim, ela diz, “há muito mais experiências a se ter. É muito bom ainda estar aprendendo sobre as coisas que amo.”

Quanto ao nariz hiper astuto? Johnson acha que isso poderia funcionar para um papel algum dia, também. “Talvez haverá uma personagem que curte muito óleos,” ela ri. “Eu poderia fazer algo com isso.”

SCANS > 2018 > ELLE US

dg dg dg dg

Tradução: Laura M.

SCANS: Dakota Johnson e Jamie Dornan falam sobre ‘Cinquenta Tons de Liberdade’ para a revista 8 Days

Durante a divulgação de ‘Cinquenta Tons de Liberdade’, Dakota Johnson e Jamie Dornan concederam entrevistas a uma série de veículos midiáticos, e um deles foi a revista 8 Days. Junto com a entrevista, foram liberados novos outtakes para o promoshoot do filme, contidos nos scans. Confira tudo à seguir:

Finalmente chegou a época: Cinquenta Tons de Liberdade, o clímax do último capítulo da trilogia erótica entre o dominador e amante Christian Grey e a doce estudante virgem Anastasia Steele, estreia nesta quinta-feira.

É difícil de acreditar que há pouco tempo atrás (ok, tem quase uma década) que Cinquenta Tons começou humildemente como uma fanfic de Crepúsculo escrita por E. L. James. Até então intitulada “O Senhor do Universo”, que havia um Edward Cullen reinventado como magnata profundamente envolvido com sadomaquismo, antes de James – qual é a palavra? – reciclar o material com personagens que tinham nome originais e abandonar a inclinação sobrenatural, Cinquenta Tons de Cinza nasceu.

O livro – e suas sequências, Cinquenta Tons Mais Escuros e Cinquenta Tons de Liberdade, – não eram obras-primas literárias, mas viraram um tremendo sucesso vendendo 100 milhões de cópias mundialmente. Bem em breve, James tinha Hollywood batendo a sua porta (segundo notícias, os direitos foram vendidos por US$5 milhões).

Lembram quando os fãs foram à loucura quando Charlie Hunnam e Dakota Johnson foram anunciados como Grey e Steele, e ainda mais à loucura quando Hunnam saiu e foi substituído por Jamie Dornan? Tempos insanos.

Dito isso, vamos deixar Dakota Jonhson e Jamie Dornan refletirem sobre suas lembranças ao gravarem a trilogia.

Agora que o terceiro e último filme da trilogia Cinquenta Tons está finalizado, como você se sente?
DJ: Me sinto nostálgica, grata pela experiência e animada para o futuro.

Como foi o último dia no set?
DJ: Foi muito surreal, nós tínhamos trabalhado a noite toda e estávamos aguardando o sol nascer para a última cena, mas parecia que nunca ia nascer! Estávamos esperando e esperando. Então, finalmente conseguimos gravar e foi uma linda manhã.

Anastasia se reconcilia com Christian no segundo filme, mas dessa vez em seus próprios termos. Como o relacionamento dos dois se desenvolve agora em Cinquenta Tons de Liberdade?
DJ: Eu acho que nesse terceiro filme, Anastasia e Christian ambos descobriram que será um constante fluxo de controle e poder entre eles. Mas, por terem decidido se casar, eles tomaram a decisão consciente de honrar ao outro e focar em seu relacionamento como algo que tem vida própria. Dessa forma, nenhuma influência ou ameaça externa pode manchá-lo. Dito isso, Anastasia reconheceu e aceitou o lado mais sexual e dominador dela, que é uma força motriz no filme.

E como ela lida com estar casada?
DJ: Por se espelharem tanto, uma vez que se casam, Anastasia se torna talvez um pouco mais confiante devido ao fato de que ela tem mais responsabilidades. Agora não é só sua vida mais, mas também a vida de seu marido e depois de seus filhos. Eu acho que casamento combina sim com ela.

Como foi gravar a cena do casamento?
DJ: Foi engraçado e bizarro. Nunca havia gravado uma cena de casamento antes. Mas foi ótimo porque foi uma das vezes em que o elenco todo estava lá e é sempre bom ter todos juntos.

Então, como nos filmes anteriores, há lugar também para o humor em Cinquenta Tons de Liberdade?
DJ: Absolutamente, você precisa do alívio cômico nesses filmes.

É difícil para você às vezes manter a cara séria no set?
DJ: Ah sim. [Uma vez que] eu rio, acabou – é como um trem em fuga e nós temos que começar de novo.

Christian Grey é um ser humano bem complexo. O que você acha que Jamie trouxe para o personagem?
DJ: Ele é complexo, e eu acredito que Jamie trouxe sofisticação e um tom cômico ao personagem. Christian poderia ter sido um personagem que é bem frio e fechado, mas Jamie é uma pessoa afetuosa que trouxe um quê de calor à ele.

E você dois desenvolveram uma amizade verdadeira durante o curso desses três filmes.
DJ: Absolutamente, sinto que seremos amigos para sempre. Jamie e eu passamos por essa jornada juntos, ele é o mais próximo de saber como foi toda essa experiência e vice-versa.

Como o relacionamento e a química ajudaram vocês a gravarem as cenas mais intensas e íntimas?
DJ: Se não nos déssemos bem como damos, teria sido muito mais difícil. Gravar cenas íntimas não é confortável, e elas são amplificadas à medida que a história prossegue; então, se eu não confiasse nesse ou não me sentisse segura teria sido um pesadelo.

No coração disso tudo está a história de duas pessoas que se amam.
DJ: Sim, absolutamente. Eu acho que Christian e Anastasia se encontram no outro. Há, de verdade, um amor profundamente investido, e com isso vem a paixão explosiva sem julgamento. Não existe outra pessoa para nenhum dos dois.

Mas o amor deles é testado em todos os filmes. Qual o maior desafio que eles têm de encarar em Cinquenta Tons de Liberdade?
DJ: O maior teste é o fato de que ela engravida antes de qualquer um deles estarem prontos para ter um bebê. Ter que perder uma parte dela é uma ameaça para Christian e talvez, subconscientemente, para Anastasia também, porque ela é muito nova. E também tem algumas pessoas que tentam mexer com os dois e arruinar seu relacionamento. [O antigo chefe de Ana que se tornou perseguidor] Jack Hyde volta e não está de bom humor para as coisas…

Anastasia Steele é uma personagem tão icônica. Como você a vê?
DJ: Eu a vejo como uma mulher muito honrável. Ela é inteligente, forte, digna e graciosa. Ela respeita a si mesma e outras pessoas. Ela é compassiva e decidida. Ela é uma mulher inspiradora e uma pessoa boa.

Como você diria que ela cresceu durante esses três filmes?
DJ: Anastasia possui um ótimo arco emocional e psicológico. Vinda de um ambiente protetor e uma perspectiva semi-inocente, e no fim sendo a derradeira mulher feroz, corajosa, expressiva e protetora. Essas são as características que mais admiro nela, junto com o fato de que ela é perpetuamente verdadeira consigo mesma. Não há um momento em que ela se compromete por algo ou alguém. Isso faz dela uma inspiração inesperada para mulheres lutando para descobrir sua própria força.

Quando você olha para trás, para todas as experiências enquanto gravava os filmes, deve haver algumas memórias especiais.
DJ: Nós passamos anos nesses projetos… há milhares de momentos e memórias especiais. A coisa mais importante para mim, sobre toda essa experiência, são as pessoas que conheci e os relacionamentos que construí. Encontrei algumas pessoas mágicas nesse projeto e serei grata a isso para sempre.

Jamie também mencionou nossa amada algumas vezes, confiram:

Você não só tem uma ótima química com Dakota nas telonas, mas vocês dois também se dão muito bem.
JD: Nós temos um carinho grande pelo outro. Dakota e eu tivemos que ter química para fazer isso funcionar desde o início, e agora nós continuaremos sendo amigos apesar da franquia estar chegando ao fim. Passamos por esta jornada juntos. Eu acredito que sempre teremos o apoio um do outro, justamente por causa do impacto que esses papeis tiveram em nossas carreiras e personalidades. É uma conexão que durará para sempre.

Sua amizade com Dakota Johnson fez essas cenas mais fáceis de serem gravadas?
JD: Fez, porque nessas situações tudo se resume à confiança. Você pode se sentir muito exposto e vulnerável ao gravá-las. Nós sabíamos que tínhamos o apoio do outro e éramos até mesmo capazes de rir um pouco, o que é bom. No primeiro filme ainda estávamos nos conhecendo, mas eu acredito que nossa amizade certamente deu um passo à frente desde então e tornou esses momentos mais fáceis para nós.

E você e Dakota também dão risada no set?
JD: Temos que rir! Não faria esse trabalho se não me divertisse. Eu me lembro que não conseguíamos parar de rir durante a cena do casamento, quando percebemos que o mesmo cara que estava conosco na cena do elevador no primeiro filme estava sentado lá, na fileira da frente. A vida é muito curta e você tem que aproveitá-la. Eu e Dakota nos fazemos rir facilmente. Você tem que respeitar seu trabalho, mas também se divertir, pois somos atores e nossa missão é entreter as pessoas. Então, como que você fará isso se não é capaz nem mesmo de se divertir? Isso vai para qualquer trabalho. Meu pai era cirurgião, mas ele nunca se levou muito à sério e é uma das pessoas mais engraçadas que já conheci.

Quem é pior em manter a cara série, você ou Dakota?
JD: Dakota, porque uma vez que ela começa a rir, você não consegue fazê-la parar – ao ponto que ela começa a chorar e tem que se afastar.

SCANS > 2018 > 8 DAYS

dg dg dg dg

Tradução: Laura M. e Bárbara S.

Dakota Johnson é capa da Allure USA na edição de Fevereiro de 2018

Deusa! Dakota Johnson é a mais nova capa da revista norte-americana Allure e, além de várias novas fotos lindas dela tiradas por sua parceira na campanha Gucci Bloom, Petra Collins, traduzimos a entrevista na íntegra para vocês. Vejam, a seguir, scans, outtakes, screencaps e (em breve) o vídeo dos bastidores legendado!

O típico perfil de celebridade abre com uma descrição do que o sujeito está usando—a saia jeans que encaixa nela como um abraço caloroso, ou como ela largou seus sapatos e seus pés estão “escondidos sob suas pernas.” Mas estou perdido quanto à descrição do que o sujeito está vestindo porque não conheci Dakota Johnson. E, de fato, nunca irei. Devido às demandas de ser uma celebridade e uma enxaqueca inoportuna, não é meu destino conhecer a atriz de 28 anos. Desse modo, ao invés de fazer uma introdução da aparência de Johnson, eu te ofereço uma descrição do que estou vestindo: um suéter azul escuro de lã merina (que encaixa em mim como um abraço caloroso), calças com estampa de camuflagem que eu uso apesar de uma mancha abaixo do joelho esquerdo, tênis velhos que minha mãe zomba (e guardo rancor dela por isso). Há muito o que falar desse relacionamento e eu posso ter tempo o suficiente para fazer isso porque meu prazo é iminente e Dakota Johnson não está sentada à minha frente.

Enquanto isso, eu começo a pesquisar sobre ela com a intensidade de um assassino em série—apenas mais minuciosamente. Ela dirige um Ford F-150 e também um Porsche Carrera. Seu número de calçado é 35. Sua cor favorita é laranja (de acordo com a Internet). Ela é tímida com redes sociais, que torna extremamente difícil descobrir curiosidades sobre ela. Ela fica nua para as câmeras com frequência. Nos anos 80, sua mãe era uma secretária em Manhattan e seu pai era um detetive disfarçado em Miami. E também, o número de calçado dela é 35.

Mas prazos são prazos, e por último me dizem “Você pode fazer uma entrevista por telefone e transcrevê-la até segunda-feira?” (É quinta-feira.)

No dia seguinte, às 13:30, o telefone começa a tocar—e não é DESCONHECIDO ou PRIVADO ou MARMONT, CHATEAU. É JOHNSON, DAKOTA. Eu admiro sua humildade antes de atender. “Eu comprei um café gelado. O de maior tamanho, tem gosto de água e eu estou brava pra caramba,” ela diz, rindo. Sua risada é como uma versão sônica de uma daquelas lâmpadas de transtorno afetivo sazonal—e as semanas que passei esperando por ela se dissipam em segundos. Não faço ideia do que ela está vestindo e, ainda assim, tenho o dever jornalístico de descrever, então peço para ela fazer isso para mim com mais detalhes possíveis.

“Estou nua!” Ela ri novamente e manda toda a serotonina do meu corpo para o meu cérebro. “Não, estou usando um traje hazmat e embaixo dele tenho um vestido de babados e lantejoulas porque é isso que eu uso quando estou malhando. E meias de casemira, e um chapéu fedora, porque quem não ama um fedora? Eu também estou usando muita maquiagem.” Ela começa a rir alto depois dessa última parte.

Ela está no carro. Johnson está dirigindo por Los Angeles, navegando suas ruas entrelaçadas com a confiança de alguém que essencialmente cresceu em Hollywood e com a habilidade de condução de alguém que nunca esteve lá e também não consegue dirigir. Durante o curso da nossa conversa, ela perde a saída para a via expressa (depois de 5 saídas!) e acaba indo para Crenshaw, uma vizinhança que ela descreve para mim como… um lugar onde ela não mora. Depois, ela quase atropela um pedestre cego. “O que eu faço?” ela grita comigo, uma pessoa a quase 5 mil quilômetros de distância. Eu não sei o que dizer além de “Não atropele-o!” Ela não confirma o status dele, mas é seguro dizer que pelo seu comportamento casual durante o restante da nossa ligação ela poupou sua vida.

Isso é um fato observável: Johnson é muito legal. Ela é legal em todas as métricas: a campanha da Gucci e os amigos famosos e os filmes prestigiados com diretores célebres. Ela também é legal de uma maneira intangível, autêntica. Isso é, talvez, o mais evidente em seu papel de musa casual para tantos. O diretor criativo da Gucci, Alessandro Michele, levou Johnson ao Met Gala no ano passado depois de selecioná-la para estrelar na campanha Gucci Bloom ao lado de Hari Nef e Petra Collins. Luca Guadagnino, que surgiu como um dos diretores mais aclamados de 2017 por ‘Call Me By Your Name’, escalou Johnson em seu filme de 2015, ‘A Bigger Splash’, e os dois desenvolveram um grande relacionamento profissional, com mais projetos por vir. “Nós conversamos quase todos os dias,” ela diz. “Estamos constantemente criando e pensando o que vamos fazer a seguir, como iremos desenvolver… qual a próxima coisa que tentaremos completar?”

Os filmes de Guadagnino são cheios de espectros acima de espectros de emoções humanas, contando com performances puras, íntimas, intensas de seus atores para contar a história. “É aterrorizante,” Johnson explica. “Mas é catártico. E faz meu coração bater.” Em seus termos, esse é o papel do ator: ser vulnerável. Sentir tudo. Processar, simpatizar, transmitir tudo de volta à um público e esperar que alguém vá ao cinema sentir aquela relação. “Todos se tornaram tão isolados pelas redes sociais… mas às vezes essa é a coisa mais importante—apenas saber que alguém está lá que pode conversar com você e é uma pessoa de verdade,” ela diz. “Eu acredito na conexão humana.”

Em adição ao seu trabalho em filmes, Johnson está desenvolvendo uma instituição sem fins lucrativos chamada Instituto Kindness, uma rede digital de saúde que liga estudantes de medicina e doutores (e voluntários de saúde física e mental tanto da medicina oriental quanto ocidental) à pessoas que estão procurando respostas para tudo desde problemas de sinusite até problemas emocionais. “Um ponto central online,” ela me conta, “para ajudar as pessoas a entenderem seus corpos, serem gentis consigo mesmos e, em retorno, serem gentis com outras pessoas. Há um sistema de apoio, uma conversação, uma conexão.”

Como várias outras pessoas (não famosas) que conheço, Johnson passou pelo último ano como uma profunda crise pessoal, mas ela vê motivo para ser otimista.“Já faz um ano desde a eleição [presidencial em 2016], e muitos artistas que eu admiro tiraram aquele ano para aprimorar suas perspectivas.” Ela se refere àSarah Silverman, cujo programa de entrevistas, I Love You, America, estreou no final do ano passado—um comunicado de imprensa da Hulu descreve o programa como“[relacionando] com pessoas que talvez não concordem com suas opiniões pessoais através de honestidade, humor, interesse genuíno pelos outros.”Parece que Johnson encontra consolo em seu trabalho. “Eu não sei como explicar de uma forma que não soe sentimental, mas quando estou em um projeto, estou nele por uma certa razão, e estou envolvida com as pessoas por uma razão, e é sempre um tipo de casamento estranho com algo que está acontecendo em minha vida, ou o personagem tem alguma conexão com algo que está acontecendo [em minha vida].”

Isso é verdade em relação ao seu trabalho com Guadagnino, mas também à sua “grande franquia nua,” o sucesso que a impulsionou à vida de estrela de cinema há três anos. ‘Cinquenta Tons de Liberdade’, o terceiro e último longa da adaptação literária que fala sobre sadomasoquismo em que Johnson estrela desde 2015, estreia no mês que vem. Ela, decididamente, não está triste com o fim da trilogia. Mas, está extremamente grata pela experiência, que ela diz ter ajudado a moldá-la como uma atriz e como ser humano.

“Fundamentalmente, sou aberta e calorosa. Em meu núcleo, sou um coração sangrando. Mas, quando sua vida é exposta e quando o filme que expõe sua vida está expondo suas emoções e seu corpo, pode ser algo muito assustador. Durante essa experiência, aprendi que posso expor meu coração e minhas emoções e ainda consigo me proteger. Eu posso ser vulnerável e, ainda assim, forte. É um constante fluxo e refluxo, uma batalha de tentar descobrir como ter essas coisas coexistindo dentro de mim. É por isso que estou grata.”

Há uma humildade e autenticidade nela que a faz parecer uma civil impotentemente presa dentro do corpo de uma pessoa famosa. Mesmo quando ela revela a mim que seu principal meio de transporte é um Porsche (eu já sabia disso; foi uma pergunta de cortesia), ela o faz com vergonha: “Queria que fosse uma piada.” Ela dá a descrição real do que está usando, e eu incluirei aqui porque sou um jornalista. “Meu cabelo está muito sujo, meio oleoso, e estou usando um velho par de calça jeans preta e uma jaqueta jeans azul. Não tive tempo de lavar meu cabelo, então estou meio nojenta. Mas uma nojenta chique, sabe?” Certo. Alguma maquiagem? “Todos os meus protetores labiais têm um pouco de cor neles,” ela diz, adicionando com ironia, “porque eu sou uma garota.” Ela deixa escapar uma risadinha que faria um bebê coelho implodir. Sua escolha para os lábios hoje é um protetor labial cor de ameixa da marca By Terry que eu imagino que brilha na luz quando ela sorri, ou pega no seu cabelo, algo assim. Eu só posso especular.

Para todas as suas qualidades positivas, Johnson tem um grande defeito: Ela não é fofoqueira, o que é a coisa mais enfurecedora sobre falar com ela. No final da entrevista, eu abandono qualquer rastro de dignidade profissional e peço logo de cara alguma informação suculenta.“Vamos lá!” Eu imploro. “Uma coisa.” Ela procura algo em seu cérebro, mas a estrela em tempo integral, musa em meio período e às vezes fã de Coldplay (que dias antes havia voado para a Argentina para vê-los performar e definitivamente não para ver Chris Martin, que há rumores de ser seu novo namorado) não conseguiu achar nada excitante.“Estou tentando pensar em algo bom e engraçado,” ela diz, bem séria. “Sinto que quando você ouvir novamente [essa conversa] haverá algumas frases de efeito ridículas.” Ridículas, não. Está mais para sincera, irreverente, um pouco inesperada—e isso é apenas sua risada.

Tradução: Laura M.