Dakota Johnson é capa da revista Marie Claire – Verão 2020

Confira a seguir a entrevista traduzida de Dakota Johnson para a edição de verão da revista Marie Claire:

Dakota Johnson é muito parecida com o pato proverbial. Ela parece serena, mas logo abaixo da superfície está remando furiosamente – o dia todo e a noite toda. “Sinto a ansiedade mais insana do nosso mundo e do nosso planeta”, diz ela entre as mordidas da salada para viagem. São 14:00 em uma quarta-feira no final de fevereiro, e estamos sentados no pitoresco bangalô de dois quartos ao sul de Hollywood que ela usa como escritório da TeaTime Pictures, a empresa de desenvolvimento de filmes e TV que ela e a ex-executiva da Netflix Ro Donnelly lançaram no outono passado.

Toda a vibe do lugar é no estilo Hollywood sem esforço. Uma sala ensolarada a nossa frente está praticamente vazia, exceto por dois pôsteres emoldurados dos filmes de Johnson com Luca Guadagnino, o drama de 2016 “A Bigger Splash” e o suspense “Suspiria” de 2018. No banheiro, há uma foto surreal da mãe de Johnson, a atriz Melanie Griffith, e seu ex Antonio Banderas deslizando por entre uma multidão de fotógrafos com uma escolta policial. Estávamos conversando sobre a possibilidade de comprar froyo (yogurt) mas logo passamos para – o que mais? – o medo global do vírus COVID-19. “Estou constantemente pensando no estado do mundo no momento. Isso me mantém acordada à noite, a noite toda, todas as noites”, diz ela. “Meu cérebro vai para lugares loucos e escuros com ele.” Ela dá outra mordida no espinafre e mastiga lentamente.

As jovens que prestam declarações sobre assuntos preocupantes mas sem nenhuma atitude tornaram-se algo comum. O estilo laissez-faire é cartão de visita de “garotas relaxadas” em todo lugar. Mas Johnson, 30 anos, não é assim descolada – mas não em uma versão desagradável da palavra. “Meu cérebro se move a um milhão de milhas por minuto”, diz ela. “Eu tenho que trabalhar muito para eliminar pensamentos e emoções, e faço muita terapia.”

De uma educação que contou com dois pais famosos (seu pai é o astro de Miami Vice, Don Johnson), divórcio e uma infância dividida entre Colorado, Los Angeles e inúmeros sets de filmagem, ela emergiu como observadora consumada. “Eu luto com a depressão desde que eu era jovem – desde os 15 ou os 14 anos. Foi quando, com a ajuda de profissionais, eu fiquei tipo: Ah, isso é algo com que eu posso lidar. Mas aprendi a achar bonito porque sinto o mundo”, diz ela. “Acho que tenho muitas complexidades, mas não ponho elas para fora. Não faço disso problema de mais ninguém.”

Essa tensão é precisamente o que torna Johnson tão atraente na tela. Suas personagens irradiam calor e empatia, mas raramente transbordam. Elas são observadores (A Bigger Splash) e preocupados (Como Ser Solteiro) e submissos (a franquia Cinquenta Tons) que lutam com seus lados selvagens. Seu próximo papel em “A Batida Perfeita” [estréia em casa sob demanda a partir de sexta-feira, 29 de maio] – uma comédia da indústria musical sobre uma piada sobre uma estrela pop de quarenta e poucos anos (Tracee Ellis Ross) e sua assistente de olhos estrelados, Maggie (Johnson) – não é exceção. “Dakota é apaixonada e sente as coisas profundamente, mas também é maravilhosamente encantadora e divertida”, diz Ross. “Ela sabe onde está e quem é e não tem medo de falar”.

Como acontece em tantos filmes sobre jovens ambiciosas, Maggie costuma ser educada por suas superiores. Mas, diferentemente de tantos filmes sobre jovens ambiciosas, neste filme ela nunca sofre uma crise de confiança. “Maggie é tão emocional e tão aberta, mas eu não queria que ela fosse totalmente destruída pelo vento”, diz Johnson. “Eu acho que, especialmente para as mulheres, é uma agitação o tempo todo. É uma luta todos os dias. Maggie é vulnerável, mas isso nunca a impede de escolher o que é mais importante para ela.” Para a roteirista de 28 anos do filme, Flora Greeson, que usou parte de sua própria experiência como assessora de Hollywood para informar o personagem, foi uma mudança radical no roteiro. “Minha versão era uma garotinha idiota correndo por aí tentando manter as coisas juntas”, diz ela. “Dakota era como, ‘eu não quero esse personagem se desculpando em todas as cenas. Não é assim que a Maggie faz.”

Também não é assim que Johnson faz. Uma aparição recente no The Ellen DeGeneres Show se tornou viral depois que ela se recusou a cair na afirmação da comediante de que ela não foi convidada para a festa de 30 anos de Johnson. “Isso não é verdade, Ellen. Você foi convidada”, diz ela com firmeza, “mas você não veio”. E parte do motivo pelo qual ela abriu a TeaTime foi evitar de ser deixada “de lado” no set. “Durante muito tempo, eu fazia filmes mas não tinha voz”, diz ela. “Eu poderia entrar em algo, e era uma coisa, e depois saía como uma coisa totalmente diferente. Como artista, você fica tipo, ‘Que porra é essa?’ ” (Johnson negou relatos de que ela estava descontente com os filmes Cinquenta Tons.) Ainda assim, ela queria dizer menos e participar mais de decisões de alto nível. Como elenco e escritores e a estética geral de um projeto. “Eu definitivamente quero que meu ofício, minha arte e minhas idéias sejam respeitadas e compartilhadas. Eu quero fazer parte do processo ”, diz ela. “Eu também tenho um gosto muito específico.”

Se o vídeo que ela acabou de co-direcionar para o single do Coldplay “Cry, Cry, Cry é qualquer indicação, o gosto tem tanto a ver com a emoção quanto com o ambiente. “Eu escrevi a história e a enviei para a banda como todos os outros diretores, e eles escolheram a minha – não porque sejam parciais comigo”, diz ela rindo. (Johnson namora Chris Martin, vocalista do Coldplay desde 2017.) Ela selecionou cuidadosamente todos os detalhes, desde a quantidade de confetes que caíram na pista de dança até o olhar nos olhos dos dançarinos e os cadarços em seus sapatos. “Quando trabalho, estou constantemente pensando no trabalho. Isso ocupa muito do meu cérebro ”, diz ela. “Nem todos os meus projetos são apenas boas mensagens, mas todos eles têm um pouco de algo que me faça sentir que é uma coisa boa suficiente para por parte do meu coração.”

Parece que o coração dela é quem decide. “Eu realmente não tenho um método e não quero um”, diz ela sobre a escolha de projetos. “É muito intuitivo e emocional”. Alguns anos atrás, ela estava na Itália e “em um lugar que parecia muito escuro” quando foi atraída por um curta que acabaria se tornando “Peanut Butter Falcon”. O drama que faz muito sucesso na versão on demand é sobre um jovem com síndrome de Down (Zack Gottsagen) que encontra um companheiro improvável em um fora da lei imundo (Shia LaBeouf). Há uma faísca entre os personagens de Johnson e LaBeouf – “Acho que Shia pode ser o melhor ator da minha geração, o que eu não diria na cara dele”, brinca ela – mas Johnson se apaixonou por outro homem durante as filmagens: “Zack Gottsagen tem se tornado um dos maiores amores da minha vida”, diz ela. “Ele mudou totalmente meu mundo.”

É uma das suas coisas favoritas sobre filmes, a maneira como eles são feitos e até mesmo como são vistos pode servir como uma saída para um lugar diferente. Ela estava recentemente revendo Notting Hill quando sentiu uma pontada de algo familiar: um final feliz. “Não há mais filmes assim hoje em dia. Filmes onde eles seguem seu próprio tempo e o ritmo é mais lânguido, e trata-se de escapismo alegre e pensamento positivo “, diz ela. “Quando eu era criança, eu amava muito esses filmes. Eles foram a razão pela qual eu fiquei tipo, bem, talvez eu pudesse ser atriz. Talvez eu possa ser uma estrela de cinema”. A ironia de que ela praticamente nasceu para ser uma estrela de cinema paira no ar, mas ela não esclarece. Como Maggie, ela não se deprecia. “Há algo realmente bom em fazer algo que faz as pessoas se sentirem bem e saírem de suas vidas por um segundo e talvez pensarem: Oh, meus sonhos podem não ser sonhos, eles podem ser…”

E ela pára, está sorrindo, mas já está em outro lugar. Remando em direção à próxima grande novidade.

Fonte | Tradução – Bárbara Silva