Nova entrevista de Dakota para a revista ucraniana Telegid
11.02.2018

Dentre inúmeras entrevistas concedidas por Dakota promovendo Cinquenta Tons de Liberdade, uma delas foi para a revista ucraniana Telegid. Confira o que ela disse à seguir:

Dakota, agora que o terceiro filme da série “Cinquenta tons” está completo, como você se sente?
Sinto-me nostálgica, agradecida pela experiência e entusiasmada com a expectativa de um futuro desconhecido

Como foi seu último dia de filmagens?
Na verdade, foi uma gravação na madrugada, esperamos o amanhecer para gravar as cenas finais. Parecia que o sol nunca nasceria! A espera foi cansativa, mas quando vimos o sol, a manhã foi linda.

No último filme, Anastasia voltou com Christian. Como o relacionamento deles está se desenvolvendo agora, em “Cinquenta Tons de Liberdade”?
Anastasia e Christian decidiram que a conexão entre eles será eterna. Eles são uma imagem espelhada do outro. Então, esses dois decidiram se casar, e isso veio de forma consciente – isso dará ao casal a oportunidade de se concentrar em seus próprios sentimentos. Parece-lhes que, dessa forma, nenhuma influência ou ameaça externa pode ofuscar sua felicidade. Ao mesmo tempo, Anastasia tomou um lado mais sexual e dominante de si mesma, que é a força motriz do filme.

O que ela gosta sobre estar casada?
Anastasia fica mais confiante, apesar de ter mais responsabilidades. Agora estamos falando não só sobre sua vida, mas também sobre a vida de seu marido e, por último, de seus filhos. Eu acho que o casamento combina com ela.

Foi difícil filmar a cena do casamento?
Foi engraçado e ao mesmo tempo estranho. Antes disso, nunca gravei esse tipo de cerimônia. Este foi um dos poucos casos em que todo o elenco estava no set.

Como nos filmes anteriores, havia lugar para humor no filme?
Claro, esses filmes precisam de um alívio cômico.

Você provavelmente teve dificuldade em ficar de cara séria no set.
Ah, sim. Com frequência; de repente eu ria para a câmera, e como resultado, tive que fazer tudo de novo.

Christian Grey é uma pessoa bastante complicada. O que Jamie Dornan trouxe de fundamental a esse papel?
Jamie enfatizou não só a complexidade de seu personagem, mas também lhe deu um aspecto cômico. Christian, pelo temperamento do personagem, é bastante frio e distante, mas Jamie é gentil e, portanto, deu-lhe calor.

Você se tornou amiga dele nesses três filmes?
Eu sinto que nos tornamos amigos para sempre.

Isso ajudou você a se tornar mais natural em cenas íntimas?
Claro, se não nos entendêssemos, seria muito mais difícil. As gravações de cenas eróticas são sempre estranhas, e sua intensidade cresce ao longo da história; então, se eu não confiasse nele ou não me sentisse segura seria um pesadelo.

Anastasia e Christian realmente se amam. Por que seus sentimentos estão sendo testados em cada filme?
O maior teste foi o fato de que minha heroína ficou grávida. Afinal, naquela época, eles não estavam prontos para o nascimento de uma criança. Para Christian é uma ameaça de perder a liberdade, e Anastasia é muito jovem para se tornar mãe.

O filme se transforma gradualmente em um suspense?
Há certos momentos de suspense no terceiro filme, porque a vida de Anastasia está ameaçada.

O que você vê em Anastasia Steele?
Considero-a inteligente, compassiva, durona, franca, digna e elegante. Ela respeita a si mesma e aos outros. Ela é uma mulher inspiradora e uma boa pessoa.

Muitas jovens do mundo olham para ela, mas admiram você.
Isso me faz sentir desconfortável. Mas, na verdade, recebi uma incrível oportunidade de dar vida à imagem de Anastasia.

Como você trabalhou com o diretor James Foley?
Ele é muito inteligente. Aderiu estritamente à ética do trabalho, permitindo que os atores experimentassem seus personagens. Além disso, James sempre perdoava os membros da equipe e suas diferentes liberdades.

Como foi o impacto no processo com a presença de E. L. James?
Com toda adaptação cinematográfica – você nunca pode colocar todo o livro em um filme. Claro, ela queria ter certeza de que os pontos importantes fossem garantidos nas filmagens.

Quando você avalia toda a experiência de trabalhar em “Cinquenta Tons”. Alguma memória especial?
Passamos muitos anos nesse projeto… existem milhares de momentos e memórias especiais. Mas o mais importante para mim é as pessoas que eu conheci e os relacionamentos que construí.

Fonte | Tradução: Bárbara S.

postado por Laura Melo na categoria Cinquenta tons de liberdade